Turquia adverte Síria de possível resposta após ataque em cidade na fronteira

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Apesar de indicar que terá cautela para não se envolver em conflito vizinho, premiê diz: 'Quem atinge a Turquia pagará o preço mais cedo ou mais tarde.' Explosões mataram 46 no sábado

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que a Turquia "não evitaria" responder à explosão de dois carros-bomba, ataque que responsabiliza a Síria, mas também afirmou que o país agirá com cautela e não será atraído para a guerra civil do vizinho.

Acusação: Turquia acusa forças sírias por ataques que mataram mais de 40

AP
Adolescente turco mostra bandeira nacional encontrada nos destroços deixados por explosão de carro-bomba no sábado em Reyhanli, perto da fronteira com a Síria

Ataque: Carros-bomba matam dezenas em cidade turca na fronteira com a Síria

Turquia: Exames em sírios mostram sinais de uso de armas químicas

A explosão de sábado na cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira síria, deixou ao menos 46 mortos e estimulou temores de que a Turquia poderia mergulhar mais fundo no conflito. Erdogan disse nesta segunda: "Não cairemos na armadilha, mas daremos a necessária resposta no momento necessário. Não evitaremos isso", disse ser dar detalhes. "Quem atinge a Turquia vai pagar o preço mais cedo ou mais tarde", acrescentou.

Erdogan também afirmou que o regime sírio "certamente" estava por trás dos ataques, caracterizando as negativas da Síria como uma mentira. As autoridades turcar dizem que detiveram nove turcos com vínculos com a agência de inteligência síria em conexão com os ataques.

Secretário da Defesa: EUA consideram armar rebeldes sírios

Observatório: O homem por trás da contagem de mortos no conflito da Síria

Também nesta segunda, o ministro da Informação sírio culpou o governo da Turquia pelas explosões e chamou o primeiro-ministro turco de "assassino", segundo a emissora estatal de televisão russa RT.

"Toda responsabilidade pelo que aconteceu está com o governo turco e com Erdogan pessoalmente", disse Omran al-Zoubi em entrevista ao canal em língua árabe da RT. "Exijo sua renúncia como um assassino e um carrasco. Ele não tem o direito de construir uma carreira política sobre o sangue dos povos turco e sírio", disse à RT.

Zoubi reiterou que Damasco não teve participação nas explosões e culpou a Turquia pelo derramamento de sangue na Síria, dizendo que o país tinha ajudado rebeldes liderados pela Al-Qaeda.

Vejas as imagens do ataque de sábado:

Explosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixou dezenas de mortos neste sábado (11). Foto: ReutersMulher ferida é retirada de local onde um carro-bomba explodiu em Reyhanli . Foto: ReutersDezenas de pessoas morreram na cidade situada a poucos quilômetros de um importante posto fronteiriço com a Síria. Foto: ReutersEstrutura de um dos prédios atingidos ficou muito danificada. Foto: ReutersPopulação se reúne no local da explosão em Reyhanli, na Turquia, fronteira com a Síria. Foto: APBombeiros tentam apagar incêndio após explosão na cidade turca de Reyhanli. Foto: ReutersVeículos atingidos pelo incêndio ocorrido após as explosões. Foto: ReutersSoldados impedem a aproximação em uma das áreas onde ocorreu uma explosão neste sábado (11) . Foto: Reuters

Mídia: Em busca de equilíbrio entre mídia estatal e oposição, jornais nascem na Síria

Frente al-Nusra: Grupo rebelde na Síria promete lealdade à Al-Qaeda

Os carros-bomba aumentaram temores de que a guerra civil na Síria se espalhe para países vizinhos. De acordo com a ONU, mais de 70 mil foram mortos na Síria desde o início da repressão do governo aos protestos contra o regime do presidente Bashar al-Assad, em março de 2011.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: turquiasíriaerdoganassadmundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas