Israel acusa governo Assad de usar armas químicas contra rebeldes sírios

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Avaliação feita por autoridade da inteligência do Exército israelense se baseou em evidências visuais de confrontos no mês passado

Uma autoridade da inteligência do Exército de Israel afirmou nesta terça-feira (23) que forças do presidente da Síria, Bashar al-Assad, usaram armas químicas no mês passado em confrontos contra grupos rebeldes que tentam derrubar o regime. Essa foi a primeira vez que Israel acusou o líder sírio de fazer uso de um estoque de armas não convencionais.

Março: Síria e rebeldes trocam acusações de 'ataque químico'; EUA negam alegações

Obama: Líder da Síria será responsabilizado se tiver usado armas químicas

AP
Presidente sírio, Bashar Al-Assad cumprimenta parlamentar iraniano em Damasco

Janeiro: Israel ameaça atacar se Síria perder controle de armas químicas

Secretário de Estado dos EUA: Otan precisa se preparar para ameaça química da Síria

A avaliação, baseada em evidências visuais de supostos ataques, pode aumentar a pressão sobre os EUA e outros países do Ocidente para intervir no conflito sírio. O Reino Unido e a França anunciaram recentemente que possuíam evidências de que o governo Assad teria usado armas químicas. Embora os EUA digam que não são capazes de verificar essas alegações, o presidente Barack Obama alertou que a introdução de armas químicas por Assad provocaria uma mudança no "jogo".

Leia também: ONU investigará suposto ataque com armas químicas na Síria

Violência: Março foi mês mais sangrento na guerra da Síria, diz grupo de monitoramento

Em sua avaliação, o brigadeiro-general Itai Brun, chefe de pesquisa e análise na Inteligência do Exército de Israel, afirmou a uma conferência de segurança em Tel Avivi que Assad usou armas químicas várias vezes. Entre os incidentes, estavam ataques documentados pela França e pelo Reino Unido perto de Damasco no mês passado.

Ele citou imagens de pessoas machucadas nos supostos ataques, mas não deu qualquer indicação de que tivesse outra evidência, como mostras de solo, tipicamente usadas para verificar uso de armas químicas.

"Para o melhor do nosso conhecimento profissional, o regime usou armas químicas letais contra os militantes em uma série de incidentes nos últimos meses, incluindo o relativamente famoso de 19 de março", disse Brun. "Pupilas retraídas, espuma nas bocas e outros sinais indicam, em nossa visão, que armas químicas letais foram usadas."

NYT: Sem preparo para guerra assimétrica, Exército sírio mostra sinais de exaustão

Ele disse que sarin, gás venenoso que atinge o sistema nervoso, foi provavelmente usado. Ele também afirmou que o regime sírio usava armas químicas menos letais, e que a Rússia continuava a armar o Exército sírio. Brun lamentou o que considera falta de respostas da comunidade internacional, dizendo que o silêncio poderia encorajar grupos que não jogam de acordo com as regras tradicionais da guerra.

Ele divulgou sua avaliação enquanto o secretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, realizava uma visita a Israel. Reagindo aos comentários de Brun, o porta-voz do Pentágono, George Little, disse que os EUA "continuam a avaliar os relatórios de uso de armas químicas na Síria". "O uso de tais armas seria completamente inaceitável", acrescentou. "Reiteramos nos termos mais fortes possíveis as obrigações do regime sírio em guardar em segurança seus estoques de armas químicas e não usá-las ou transferi-las para organizações como o grupo militar e político libanês Hezbollah."

Galeria de fotos: 'Pertences mais preciosos' revelam drama de refugiados sírios

Crise: Reino Unido envia blindados à oposição; Síria soma 1 milhão de refugiados

Alerta: ONU diz que refugiados sírios podem triplicar até o fim do ano

Israel, que faz fronteira com a Síria, assiste com preocupação à guerra civil na Síria desde que ela teve início em março de 2011. Embora Assad seja um inimigo, o Estado judeu foi cuidadoso em não escolher lados, parcialmente porque a família Assad manteve a fronteira com Israel tranquila nos últimos 40 anos e também por causa dos temores sobre o que poderia acontecer caso ele seja derrubado.

Autoridades israelenses estão especialmente preocupadas que o estoque de armas químicas de Assad e outras armas avançadas caiam nas mãos dos aliados de Assad no Hezbollah ou de grupos extremistas islâmicos que tentam derrubá-lo. A preocupação é que, se o governo Assad cair, qualquer um desses grupos poderia usar esse arsenal contra Israel. O Hezbollah combateu Israel por um mês em 2006.

NYT: Refugiados sírios despertam no Líbano dolorosa memória de crises anteriores

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre a Primavera Árabe

O premiê israelense, Benjamin Netanyahu, voltou a repetir na segunda-feira que Israel tem o direito de "se defender" contra qualquer ameaça. Ele falou durante encontro com Hagel.

Com AP

Leia tudo sobre: síriamundo árabeprimavera árabeassadisraelarmas químicas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas