Soldados da ONU são libertados por rebeldes sírios

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Vinte e um integrantes da força de paz das Nações Unidas ficaram presos por três dias no sul da Síria

Reuters

Vinte e um soldados da força de paz das Nações Unidas, detidos por rebeldes no sul da Síria durante três dias, foram liberdados e levados à Jordânia neste sábado (9). A prisão salientou como a guerra civil síria está aumentando as tensões em suas fronteiras voláteis.

Os soldados filipinos --parte da Força Observadora de Desocupação (Undof, na sigla em inglês) da ONU que monitora a linha de cessar-fogo entre a Síria e Israel nas Colinas de Golã desde 1974-- foram capturados pelos Mártires de Yarmouk na quarta-feira passada.

Revolta: Rebeldes capturaram governador de província da Síria, dizem ativistas

Eles foram levados pelos rebeldes neste sábado para a fronteira jordaniana, a cerca de 10 quilômetros do vilarejo de Jamla, onde estiveram detidos desde sua captura.

"Estão todos do lado jordaniano agora, e em boa saúde", disse Abu Mahmoud, um rebelde que disse ter cruzado a Jordânia com eles.

Na capital síria, Mokhtar Lamani, que chefia o escritório de Lakhdar Brahimi, mediador entre a ONU e a Liga Árabe, em Damasco, confirmou que os homens cruzaram a fronteira.

Região sob tensão: Atiradores matam soldados sírios em emboscada no Iraque

A Jordânia pareceu surpresa com a chegada das tropas pacificadoras --que se esperava serem recuperadas por um comboio da ONU na Síria e possivelmente levadas a Damasco -- e a Síria declarou surpresa pela maneira como foram despachados pela fronteira.

A manobra "encorajaria terroristas a repetir esses eventos", declarou o Ministério das Relações Exteriores em Damasco, acrescentando que a Síria cumpriu totalmente com seu compromisso de garantir a segurança dos pacificadores.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, comemorou a libertação dos soldados, mas pediu que "todas as partes respeitem a liberdade de movimento da Undof e a segurança de seu pessoal", segundo seu porta-voz.

Há um ano: Levante na Síria completa um ano e ameaça se espalhar por região

NYT: Sírios temem que levante cause guerra sectária igual à do Iraque

Os insurgentes descreveram os soldados presos como "convidados", e afirmaram que eles seriam libertados assim que as forças do presidente sírio, Bashar al-Assad, recuassem do entorno de Jamla e detivessem os bombardeios.

Uma breve trégua foi acordada na manhã deste sábado para permitir a retirada dos pacificadores. Embora o intervalo de cessar-fogo tenha terminado ao meio-dia local, antes que fossem resgatados, a calma relativa prevaleceu tempo suficiente para os rebeldes os levaram até o sul da Jordânia, informaram os insurgentes.

Na sexta-feira, uma iniciativa de resgate foi adiada devido aos bombardeios pesados e abandonada de noite, disse Hervé Ladsous, chefe das forças de paz das Nações Unidas.

Leia tudo sobre: SIRIASOLDADOSLIBERTOSONURefénsRevolta árabemundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas