Novo julgamento de Mubarak e filhos é marcado para 13 de abril

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Defesa acredita que nova data foi decisão política já que prisão temporária do ditador termina no mesmo dia. Audiência começará apenas nove dias antes das eleições no país

Reuters

AP
O ex-presidente egípcio Hosni Mubarak em tribunal no Cairo (2/6)

O novo julgamento do líder deposto Hosni Mubarak, seus filhos e principais assessores vai começar no dia 13 do próximo mês, disse o tribunal egípcio neste domingo. Com isso, as audiências sobre o assassinato de manifestantes terão início apenas nove dias antes das eleições.

Mais: Egito retira diversas acusações de período de violência pós-Mubarak

Mubarak, o primeiro governante árabe a ser julgado por seu povo após os levantes que varreram o Oriente Médio e o Norte da África, foi condenado à prisão perpétua por ordenar o assassinato de manifestantes, mas garantiu um novo julgamento por um tribunal do Cairo, em janeiro.

O novo processo poderia aumentar as tensões em um momento de turbulência política e econômica no Egito, que tem visto ondas de agitação de rua ao longo dos dois anos desde que Mubarak renunciou. O novo presidente islâmico Morsi acusa partidários de Mubarak de fomentar um pouco da agitação.

Entenda: Corte do Egito ordena novo julgamento de Mubarak após apelação

Junho: Ex-presidente do Egito é condenado à prisão perpétua

Violência: Protestos no Egito deixaram 365 mortos e 5,5 mil feridos

Um dos advogados de defesa de Mubarak, Mohamed Abdel Razek, denunciou que a data do novo julgamento tem moticações políticas e é projetado para manter o ex-líder, de 84 anos, detido. Mubarak, que governou o Egito durante três décadas, está detido por quase dois anos e está atualmente em um hospital militar do Cairo.

"Definir 13 de abril como a data para o novo julgamento é uma decisão política na medida em que o prazo da prisão temporária de Mubarak termina no mesmo dia, considerando que ele não deveria estar na cadeia a menos que um novo julgamento começasse", disse Abdel Razek.

Leia tudo sobre: egitomundo árabemubarakmorsijulgamento

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas