Síria e Irã condenam planos dos EUA de ajuda a rebeldes

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo de Obama anunciou que mandará alimentos e apoio médico aos opositores de Assad. "Como podem dar suporte a grupos que matam sírios", disse ministro em Teerã

Reuters

Síria e Irã condenaram neste sábado uma ação dos Estados Unidos para dar ajuda aos rebeldes que lutam para derrubar o presidente sírio, Bashar al-Assad. "Eu não entendo como os Estados Unidos podem dar suporte a grupos que matam sírios", afirmou o ministro das Relações Exteriores do país, Walid al-Moualem, em coletiva de imprensa em Teerã.

Entenda: EUA enviarão US$ 60 milhões em ajuda à oposição da Síria

AP
Ministro sírio Walid al-Moualem (esq.) com o aliado iraniano Akbar Salehi no final da coletiva, em Teerã

O ministro era apoidado pelo seu colega iraniano, Akbar Salehi. "Isso não é nada além de usar uma política de dois pesos e duas medidas. Um lado que busca solução política não pode punir o povo sírio." Os EUA disseram nesta quinta-feira que dariam, pela primeira vez, ajuda não letal aos rebeldes sírios, descrevendo o auxílio como uma forma de aumentar o apoio popular aos rebeldes.

Leia mais: EUA podem pensar em armar rebeldes enquanto Assad se agarra ao poder

Vídeo: Guerra força crianças sírias a viver em cavernas e túneis

A ajuda incluirá suplementos médicos e alimentos para combatentes rebeldes e 60 milhões de dólares para ajudar a oposição civil a oferecer serviços básicos como segurança, educação e saneamento básico. Salehi disse que a decisão norte-americana prolongará o conflito na Síria, uma guerra civil em constante crescimento e que já causou a morte de 70 mil pessoas.

"Se você realmente sente pena da atual situação na Síria, você deveria forçar a oposição a sentar na mesa de negociações com o governo sírio para encerrar a violência", afirmou o iraniano. "Por que você encoraja a oposição a continuar com esses atos de violência?". O Irã e a Rússia apoiam Assad, enquanto os EUA e seus aliados geralmente estão do lado da oposição.

Leia tudo sobre: síriamundo árabeassadirãprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas