Governo sírio está pronto para negociar com oposição armada, diz agência

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Citando chanceler sírio, russa Itar-Tass, porém, não esclarece se Damasco tem alguma condição para iniciar o diálogo para pôr fim a conflito

Reuters

O chanceler sírio, Walid al-Moualem, disse nesta segunda-feira que o governo está pronto para negociar com a oposição armada do país, informou a agência de notícias russa Itar-Tass.

Avanço: Oposição síria diz ter capturado suposta área nuclear atacada por Israel em 2007

AP
Walid al-Moualem: Chanceleres russo, Serguei Lavrov (E), e sírio, Walid al-Moallem, reúnem-se em Moscou

Violência: Atentados em Damasco deixaram 90 mortos, diz Observatório

"Estamos prontos para o diálogo com todos que o quiserem, mesmo com aqueles que têm armas em suas mãos. Porque acreditamos que reformas não virão por meio de derramamento de sangue, mas apenas por meio do diálogo", disse o ministro antes de realizar conversas com o chanceler russo, Serguei Lavrov.

A Itar-Tass não informou nenhum outro comentário feito pelo ministro sobre a perspectiva das conversas, e não esclareceu se o governo tinha alguma condição para iniciar o diálogo.

'Posições de liderança': ONU diz ter lista de suspeitos de crimes de guerra na Síria

O chefe da principal coalizão de oposição da Síria disse em seguida que visitas aos EUA e Rússia para conversações a fim de solucionar a guerra civil na Síria foram adiadas. A coalizão ainda não entrou em contato com o governo depois da declaração do chanceler sobre negociações com a oposição armada.

"A visita a Moscou foi adiada agora até vermos como as coisas se desenvolverão", afirmou o líder da Coalizão Nacional Síria, Moaz Alkhatib, no Cairo.

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre a Primavera Árabe

A Coalizão Nacional Síria disse que está disposta a negociar um acordo de paz para acabar com a guerra civil no país, mas que o presidente Bashar al-Assad deve renunciar e não pode fazer parte de nenhum acordo. A Rússia diz que a saída de Assad do poder não deve ser uma pré-condição para uma resolução política.

Leia tudo sobre: síriaassadrússiamundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas