ONU diz ter lista de suspeitos de crimes de guerra na Síria

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo organização, sírios em 'posições de liderança' foram identificados como possíveis responsáveis por torturas, assassinatos e disseminação do terror

Reuters

Sírios em "posições de liderança" foram identificados como possíveis responsáveis por crimes de guerra e unidades militares foram acusadas de cometê-los, disseram investigadores da ONU nesta segunda-feira (18). A violência é cometida tanto por forças do governo quanto por rebeldes armados, segundo a ONU.

Leia também: Rebeldes sírios avançam sobre aeroporto de Aleppo

AP
Refugiada síria é vista entre uma linha de tendas em um campo perto de Azaz, no norte de Aleppo


Fronteira com o Líbano: Ataque aéreo de Israel atinge comboio de caminhões na Síria

Saiba mais: Síria diz que Israel atacou centro de pesquisa militar

Os crimes da guerra civil síria, iniciada há quase dois anos, incluem assassinatos, torturas e a disseminação do terror entre civis, segundo o novo relatório dos investigadores, que se baseia em 445 entrevistas com vítimas e testemunhas, e abrange um período de seis meses, até meados de janeiro. A equipe independente, comandada pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, não foi autorizada a entrar na Síria.

O relatório de 131 páginas pede ao Conselho de Segurança da ONU que "aja urgentemente para assegurar a responsabilização" por violações graves, o que possivelmente envolveria a abertura de um processo junto ao Tribunal Penal Internacional (TPI).

"O TPI é a instituição apropriada para lutar contra a impunidade na Síria. Como uma estrutura estabelecida e amplamente apoiada, poderia imediatamente iniciar investigações contra autores de crimes sérios na Síria", diz o texto.

Leia também: Jornalista americano sequestrado na Síria está desaparecido

Perdas do regime: Forças de Assad pressionam para retomar subúrbio de Damasco

"Indivíduos também podem arcar com a responsabilidade criminal por perpetuar crimes identificados no atual relatório. Sempre que possível, indivíduos em posições de liderança que possam ser responsáveis foram identificados junto àqueles que realizaram fisicamente os atos", afirma o texto.

Karen Konig AbuZayd, que participou da equipe, disse que entre os autores de crimes podem haver "pessoas que estão na liderança militar, por exemplo". Segundo ela, "é a primeira vez que mencionamos o TPI diretamente".

"O Conselho de Segurança precisa se unir e decidir se remete ou não o caso ao TPI", afirmou. "Não estou otimista."

Mortes: Coveiros na Síria não têm tempo para esperar pelos mortos

Mas essa terceira lista de suspeitos - complementando as listas preparadas no ano passado - continua secreta. Ao final do atual mandato dos investigadores, no fim de março, os nomes dos suspeitos serão confiados à alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay.

No sábado, Pillay, ex-juíza do TPI, disse que o presidente da Síria, Bashar al-Assad, deveria ser investigado por crimes de guerra, e defendeu uma ação imediata da comunidade internacional, possivelmente com uma intervenção militar. Na semana passada, ela disse ao Conselho de Segurança que o número de vítimas no conflito sírio já se aproxima de 70 mil.

Leia tudo sobre: síriaassadmundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas