Número de refugiados sírios supera 700 mil; Aleppo é palco de novo massacre

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ao menos 65 corpos de homens jovens são encontrados às margens de rio; a maioria estava com as mãos amarradas nas costas e tinha ferimentos de bala na cabeça

Mais de 700 mil refugiados sírios foram cadastrados em países vizinhos ou estão aguardando registro depois de fugir da violência decorrente de embates registrados no país entre rebeldes e as forças do presidente Bashar al-Assad, afirmou nesta terça-feira a ONU.

Refugiados: ONU pede aos vizinhos da Síria que mantenham fronteiras abertas para êxodo

Na Jordânia: Tempestade de inverno aumenta miséria e desespero de refugiados da Síria

Reuters
Rebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01)

Campo de Zaatari: Crise de refugiados sírios na Jordânia atinge ponto crítico

ONU: Mais de metade dos refugiados sírios são crianças

"Vemos um fluxo que não diminui de refugiados ao longo de todas as fronteiras. Estamos fazendo jornadas duplas para poder registrar as pessoas", disse à Reuters Sybella Wilkes, porta-voz do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur).

A informação surgiu no mesmo dia em que dezenas de corpos de homens jovens, aparentemente executados sumariamente, foram encontrados na cidade de Aleppo, no norte da Síria, segundo rebeldes e ativistas.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, ao menos 65 corpos foram achados às margens do rio Quwaiq no distrito de Bustan al-Qasr. A maioria dos corpos estava com as mãos amarradas atrás das costas e tinha ferimentos de bala na cabeça. Gravações em vídeo da descoberta foram veiculadas por ativistas no YouTube e mostraram um grande número de corpos perto do rio.

Segunda: Israel ameaça atacar se Síria perder controle de armas químicas

Aliado: Diminuem as chance de Assad continuar no poder, diz premiê da Rússia

Um capitão do opositor Exército Livre da Síria disse que alguns dos mortos eram apenas adolescentes. Segundo suas declarações à agência de notícias France Press, ainda há muito corpos na água, havendo a possibilidade de que o número de mortos chegue a cem.

Ativistas dizem que as vítimas foram mortas depois de serem presas por forças leais ao presidente Bashar al-Assad. Uma fonte do governo sírio afirmou que muitas das vítimas foram sequestradas, mas acusou "terroristas" - termo que as autoridades usam para descrever os rebeldes que combatem o regime - de realizar os sequestros e os assassinatos.

*Com Reuters e BBC

Leia tudo sobre: síriaaleppoassadrefugiadosprimavera árabemundo árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas