Irã elogia 'plano de paz' de Assad após discurso para a Síria

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

'Plano rejeita a violência, o terrorismo e qualquer intervenção estrangeira no país', diz chanceler iraniano

Reuters

Reuters
O presidente sírio Bashar al-Assad faz seu primeiro discurso público desde 20 de junho

O Irã saudou o discurso do presidente sírio, Bashar al-Assad, afirmando que ele rejeitou a violência e ofereceu "um processo político amplo" para encerrar o conflito em seu país, disse a mídia iraniana nesta segunda-feira.

O discurso televisionado de Assad, no domingo, foi considerado um novo plano de paz, mas o presidente não ofereceu concessões e diminuiu a possibilidade de negociação com os grupos de oposição sírios, que descreveram a atitude do presidente como uma nova declaração de guerra.

Discurso: Assad pede "ampla mobilização" contra rebeldes

Leia também: EUA condenam discurso e plano de paz de Assad

O Irã tem declarado apoio firme a Assad desde o início da revolta para derrubá-lo do poder, há quase dois anos, e o considera parte importante da oposição a Israel. O Irã descreve vários grupos de oposição da Síria como terroristas apoiados pelo Ocidente e por países árabes.

"Esse plano rejeita a violência, o terrorismo e qualquer intervenção estrangeira no país, e destaca um futuro para o país por meio de um processo político amplo", disse o chanceler iraniano, Ali Akbar Salehi, em comunicado publicado pela agência estatal de notícias Irna.

Salehi pediu que as potências mundiais e regionais apoiem as tentativas de acabar com a crise através de uma "solução síria".

Conflito: Exército sírio lança foguetes contra bairro de Damasco

A República Islâmica tem buscado apoio internacional a seu plano de seis pontos para encerrar o conflito. O plano iraniano pede o fim imediato da violência e uma negociação entre todas as partes para a formação de um governo de transição, mas não impõe a renúncia de Assad.

O Ocidente e a oposição síria alegam que o governo iraniano está fornecendo apoio militar e financeiro a Assad.

Leia tudo sobre: mundo árabesíriaassadirãprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas