Egito adia anúncio de resultado do referendo sobre nova Constituição

Divulgação será realizada na terça-feira, porque autoridades continuam a investigar supostas ocorrências de fraude durante a votação do polêmico projeto

iG São Paulo |

A divulgação do resultado de um polêmico referendo sobre a nova Constituição do Egito foi adiada, enquanto autoridades investigam supostas ocorrências de fraudes na votação. O anúncio ficou para terça-feira (25).

Leia também:  Oposição do Egito afirma que houve fraude em referendo

Em referendo:  Egito aprova nova Constituição, indicam projeções

AP
Jornalistas tampam suas bocas e erguem suas canetas durante protesto contra projeto de nova Constituição no Egito (23/12)


Saiba mais:  Dividido, Egito conclui referendo constitucional em meio a tensões

O projeto de Constituição, aprovado às pressas pelos islâmicos , provocou intensas manifestações e confrontos nas ruas do Egito nas últimas semanas.

Enquanto o governo afirma que o texto é um passo vital na transição do país para a democracia, quase dois anos após a queda de Hosni Mubarak , a oposição afirma que a Constituição não garante liberdades individuais e os direitos das mulheres e das minorias.

A autoria do texto é, na maioria, dos aliados islâmicos do presidente Mohamed Morsi e da Irmandade Muçulmana. Segundo os opositores, o documento vai acarretar mais problemas no país árabe mais populoso.

Contagens não oficiais feitas pela Irmandade Muçulmana, indicam que 63% dos eleitores aprovaram o texto . Uma contagem da oposição teve resultado parecido. "O Comitê Supremo Eleitoral anunciará nesta terça-feira às 19h (15h, no horário de Brasília) os resultados do referendo", afirmou o juíz Samir Abu el-Matti.

A aprovação da Constituição é um pré-requisito para a realização de novas eleições parlamentares no começo do ano que vem. A oposição diz que, se for derrotada no referendo constitucional, vai se esforçar para eleger uma bancada expressiva para fazer emendas à nova Constituição

O referendo ocorre também em um contexto de crise econômica. A incerteza política levou o governo a adiar o pedido de um empréstimo de US$ 4,8 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI) e adiar também um aumento de impostos planejado para evitar novos protestos.

Em uma mensagem divulgada durante a noite na internet, Mohamed ElBaradei, o líder da Frente de Salvação Nacional (FSN), a principal coalizão de oposição, disse que "o país está à beira da falência".

Com Reuters

    Leia tudo sobre: referendo no egitoegitoreferendomorsifraude

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG