Mensagem ocorre depois que o vice-chanceler russo afirmou que a oposição tem chances de ganhar a guerra civil contra o presidente Bashar al-Assad

A Rússia disse nesta sexta-feira (14) que não mudou sua política em relação à Síria, apesar de um diplomata russo ter dito que a oposição pode ganhar a guerra civil contra as forças do presidente Bashar al-Assad .

As declarações feitas na quinta-feira pelo vice-chanceler Mikhail Bogdanov foram as mais pessimistas até agora por parte da Rússia sobre a situação de Assad, e foram bem-recebidas pelos EUA. O governo norte-americano disse que a Rússia "finalmente acordou para a realidade".

Leia também:  Rússia admite que Assad pode sofrer derrota da oposição na Síria

Leia mais: Síria lança mísseis Scud; explosão atinge Ministério do Interior

Mikhail Bogdanov (3º dir.) admitiu pela primeira vez que Assad pode sofrer uma derrota (foto de arquivo)
AP
Mikhail Bogdanov (3º dir.) admitiu pela primeira vez que Assad pode sofrer uma derrota (foto de arquivo)


ONU: Refugiados sírios superam marca de meio milhão

Mas o Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que Bogdanov reiterou a posição do país sobre a Síria, reforçando que qualquer resolução para o conflito deve ser baseada em um acordo fechado em um encontro internacional em Genebra este ano.

"Bogdanov reiterou a posição da Rússia de que não há alternativa a uma solução política na Síria, baseada no comunicado final do Grupo de Ação que foi aprovado por consenso em uma reunião ministerial em Genebra", disse o ministério, em nota.

Pressão: EUA e mais de cem países reconhecem principal grupo da oposição síria

Advertência: Otan alerta para 'resposta imediata' se Síria usar armas químicas

O comunicado também informou que Bogdanov estava se referindo apenas às afirmações "da oposição da Síria e de seus apoiadores internacionais, que preveem uma vitória rápida sobre o regime de Damasco".

As potências mundiais e regionais que se reuniram em Genebra concordaram, em 30 de junho, que um governo de transição deveria ser implementado na Síria para acabar com o derramamento de sangue no país, mas deixou em aberto qual seria o futuro papel de Assad.

A Rússia sempre disse que a saída de Assad não deve ser uma precondição para o fim do conflito na Síria e defendeu o presidente de resoluções do Conselho de Segurança da ONU que o acusariam pela violência.

Escalada: Otan aprova instalação de mísseis Patriot na fronteira da Turquia com Síria

Bogdanov, enviado do Kremlin para o Oriente Médio, disse na quinta-feira que os ganhos dos rebeldes no terreno significam que uma vitória final sobre Assad "não pode ser descartada".

A porta-voz do Departamento de Estado dos EUA Victoria Nuland disse que os comentários de Bogdanov demonstravam que a Rússia agora "vê o que está escrito na parede" sobre a Síria. Ela disse que a Rússia deveria agora se juntar aos esforços para acabar com a violência.

A declaração de Bogdanov deve ter sido interpretada como uma traição pelo líder sírio, que cada vez mais vê seu poder se esvaindo em meio às sucessivas perdas para a oposição. Além disso, recentemente, mais de cem nações, incluindo os EUA reconheceu a oposição síria como representante legítimo do povo do país.

Com AP e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.