Otan alerta para 'resposta imediata' se Síria usar armas químicas

Organização deve aprovar nesta terça-feira instalação de mísseis na fronteira com a Turquia; rebeldes têm conquistas importantes e travam duros combates em Damasco

iG São Paulo |

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, disse nesta terça-feira que a comunidade internacional terá uma "reação imediata" caso o governo da Síria utilize armas químicas. A declaração ecoa o alerta feito na segunda-feira pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de que o uso de armas químicas seria um "erro trágico" do regime sírio.

"Os estoque de armas químicas sírias são motivo de grande preocupação", disse Rasmussen, ao chegar em uma reunião da Otan em Bruxelas, na Bélgica, na qual os membros da organização devem aprovar o pedido da Turquia pela instalação de mísseis Patriot na fronteira, como forma de se proteger de ataques vindos da Síria.

Leia também:  EUA ameaçam agir contra uso de armas químicas por Síria

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre as revoltas no mundo árabe

Reuters
Carro queimado é visto em frente a prédio destruído em bairro de Homs, na Síria (03/12)

A expectativa é a de que Alemanha e Holanda forneçam baterias para os mísseis Patriot produzidos nos EUA. Os Parlamentos de ambos os países teriam de aprovar a medida após a votação favorável na Otan.

Rasmussen alertou que, caso a instalação de mísseis for aprovada, será uma medida apenas de defesa. "Isso não significará de forma alguma um apoio a uma zona de exclusãio aérea ou uma operação ofensiva", afirmou.

O ministro russo das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, também participa da reunião. O país foi contra a instalação dos mísseis, dizendo que a medida aumentaria as tensões na região.

Leia também: Em meio a rumores, Síria nega plano de usar armas químicas

Na segunda-feira, uma autoridade turca que não quis ser identificada afirmou que a Rússia tinha concordado com uma nova estratégia diplomática para persuadir o presidente sírio, Bashar Al-Assad, a deixar o poder, no que seria uma mudança da posição russa, que até agora apoiou o governo.

De acordo com o jornal americano New York Times, um analista político russo afirmou que uma equipe do Ministério das Relações Exteriores que está em contato com Assad o descreveu como um homem que perder toda a esperança de vitória ou de conseguir fugir do conflito.

Leia também: Por segurança, ONU retira parte de seus funcionários da Síria

Os rumores sobre a nova estratégia russa representam mais um obstáculo para Assad, depois de os rebeldes terem conseguido importantes vitórias nos últimos dias, como a conquista de duas bases aéreas e uma hidrelétrica. 

Os combates na capital, Damasco, se intensificaram, levando a Organização das Nações Unidas (ONU) a retirar parte de seus funcionários . De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, grupo de ativistas com sede em Londres, os choques desta terça-feira acontecem principalmente nos bairros de Beit Saham, Akraba e Yalda, assim como nos arredores do aeroporto internacional.

A agência oficial síria, Sana, disse que um repórter do jornal estatal Tishrin foi morto perto de sua casa em Al-Tadhamon, subúrbio de Damasco, nesta terça-feira, quando se dirigia ao trabalho. Segundo a agência, Naji Assaad foi "assassinado por um grupo terrorista", termo usado pelo regime para descrever os rebeldes.

Com AP e Reuters

    Leia tudo sobre: mundo árabeprimavera árabeassadsíriaotanturquia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG