Presidência informou que o governo tem o "compromisso de envolver todas as forças políticas no diálogo democrático para chegar a um terreno comum"

Reuters

A Presidência do Egito anunciou neste domingo (25) que se comprometeu a se envolver com "todas as forças políticas" para encontrar um ponto comum sobre as discussões e ressaltou a "natureza temporária" de um decreto que amplia poderes do presidente Mohammed Morsi .

Leia também:
Máxima instância judicial do Egito critica novos poderes do presidente
Presidente defende novos poderes em meio a confrontos no Egito

Forças de segurança do Egito enfrentam manifestantes na praça Tahir, no Cairo, neste domingo
AP
Forças de segurança do Egito enfrentam manifestantes na praça Tahir, no Cairo, neste domingo

"Esta declaração é considerada necessária, a fim de responsabilizar os responsáveis pela corrupção, bem como outros crimes durante o regime anterior e durante o período de transição", afirmou a presidência em um comunicado.

Diante de uma série de protestos de juízes e opositores políticos que acusam Morsi de se transformar em um novo ditador, a Presidência disse que o decreto "não estava destinado a concentrar poderes", mas a devolvê-los a eles. O objetivo foi evitar a politização do Judiciário, disse o comunicado.

Ele também teve como objetivo "abortar qualquer tentativa" de dissolver o Parlamento do Egito, dominado por islâmicos aliados de Morsi, acrescentou o comunicado.

"A presidência salienta o seu firme compromisso de envolver todas as forças políticas no diálogo democrático para chegar a um terreno comum e reduzir a distância, a fim de chegar a um consenso nacional sobre a Constituição", acrescentou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.