Reino Unido reconhece coalizão síria de oposição

Reconhecimento é feito após França e Itália também endossarem coalizão formada neste mês

iG São Paulo | - Atualizada às

O Reino Unido reconheceu oficialmente a incipiente Coalizão Nacional Síria, disse nesta terça-feira o secretário de Relações Exteriores britânico, William Hague, conferindo ao grupo oposicionista um grau de legitimidade que poderia facilitar o fornecimento de ajuda externa e armamentos.

Endosso: Golfo reconhece oposição síria; conflito se aproxima de Israel e Turquia

AP
Rebelde sírio dispara durante choques com forças do Exército sírio na cidade de Harem, perto de Idlib (17/11)

A coalizão foi formada neste mês para unir grupos fragmentados de oposição da Síria que tentam derrubar o presidente Bashar al-Assad.

"O governo de vossa majestade decidiu reconhecer a coalizão nacional da revolução síria e das forças da oposição como o único representante legítimo do povo sírio", disse Hague ao Parlamento.

Na segunda-feira, a União Europeia disse considerar o grupo como " representante legítimo " do povo sírio. A França reconheceu o grupo na semana passada, e o endosso de Paris e o de Londres aparentam ir além do reconhecimento da União Europeia.

Presidente francês: Oposição síria terá representante na França

França e Reino Unido, juntamente com os EUA, lideraram a campanha militar contra o ex-líder da Líbia Muamar Kadafi no ano passado e Paris afirmou que analisa a possibilidade de armar os rebeldes sírios .

O governo britânico sustenta que nenhuma opção está descartada, mas Hague disse ao Parlamento que ainda não foi tomada uma decisão sobre o fornecimento de armas para os rebeldes sírios.

Além de França e Reino Unido, a Itália reconheceu na segunda-feira a oposição como "legítimo representante do povo" da Síria, informou o chefe de governo italiano, Mario Monti.

Após a decisão britânica, a Coalizão Nacional Síria, baseado no Cairo, saudou o reconhecimento oficial, disse um porta-voz da coalizão. "Esse passo é muito importante, e acredito que encorajará mais sírios a se juntar à coalizão e nela confiar e também estimulará outros países europeus a reconhecê-la", disse o porta-voz Walid al-Bunni.

Apesar dos reconhecimentos externos, as facções islâmicas cada vez mais poderosas da Síria rejeitaram a nova formação opositora, em um sinal das divisões entre aqueles que tentam destituir Assad.

*Com Reuters, AFP e AP

    Leia tudo sobre: síriamundo árabeprimavera árabereino unidoassad

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG