Ativistas convocaram o protesto para pressionar o presidente do país a punir os responsáveis pelos assassinatos ocorridos durante o regime dos generais, que sucedeu Mubarak no poder

Reuters

A polícia do Egito e manifestantes se enfrentaram nesta terça-feira (20) no centro do Cairo repetindo, depois de um ano, episódios de violência entre ativistas e as forças de segurança. Ao menos 61 ficaram feridos no confronto.

Leia também:  Egito demite chefe da segurança após ataques contra policiais no Sinai

Manifestante egípcio carrega bandeira nacional durante confronto com as forças de segurança em Cairo
AP
Manifestante egípcio carrega bandeira nacional durante confronto com as forças de segurança em Cairo


Saiba mais:  Policiais egípcios morrem em ataque no Sinai

Ativistas egípcios convocaram o protesto na segunda-feira (19) para pressionar o presidente Mohamed Morsi a punir os responsáveis pelos assassinatos e abusos ocorridos durante o regime dos generais, que assumiram o poder depois que Hosni Mubarak foi derrubado por um levante , em fevereiro de 2011.

Leia também:  Muçulmanos protestam em Cairo e clamam por lei islâmica

Saiba mais:  Partidários e opositores do presidente egípcio se enfrentam no Cairo

Os conflitos irromperam no mesmo local dos confrontos no ano passado , em que 42 foram mortos durante protestos contra o conselho militar que governou o país antes de Morsi ser eleito em junho .

Dezenove pessoas foram presas na última onda de violência, em que manifestantes atiraram pedras e coquetéis molotov na polícia, que prosseguiu cercando o ministério,  repelindo os ativistas com gás lacrimogêneo.

As batalhas de rua do ano passado tiveram início quando a polícia desmontou tendas de manifestantes que tinham acampado durante a noite na Praça Tahrir - o coração da revolta contra Mubarak - depois de uma manifestação contra os generais. Isso fez com que milhares de manifestantes voltassem à praça e os confrontos eclodiram.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.