Síria tem explosão e ataque aéreos em último dia de cessar-fogo

Ativistas dizem que forças de segurança bombardeiam prédios em Damasco enquanto governo denuncia atentado com carro-bomba

iG São Paulo | - Atualizada às

Aviões das forças de segurança da Síria bombardearam áreas rebeldes no subúrbio de Damasco nesta segunda-feira, enquanto autoridades do governo denunciaram a explosão de um carro-bomba na capital. A violência acontece no que deveria ser o último dia de um cessar-fogo durante o feriado muçulmano do Eid al-Adha. A trégua, que começou na sexta-feira, durou poucas horas .

De acordo com ativistas, os ataques aéreos foram alguns dos mais duros desde o início da revolta contra o presidente Bashar Al-Assad, há mais de um ano. Caças sírios atacaram Harat al-Shwam, uma área residencial a poucos quilômetros a leste da capital.

Leia também:  'Estava morto antes de começar', diz ativista sobre cessar-fogo

AP
Imagem divulgada por agência oficial síria mostra prédio danificado por explosão de carro-bomba em Damasco

"Tanques estão posicionados ao redor de Harat al-Shwam, mas não conseguiram entrar. Eles tentaram uma semana atrás e fracassaram", disse um ativista que vive perto da região e pediu para não ser identificado.

O grupo ativista Sham News Network disse que caças do governo sírio também sobrevoaram áreas rurais adjacenetes ao norte de Damasco e a cidade de Deir al-Zor, no leste da Síria.

O governo afirmou que a explosão de um carro-bomba deixou dez mortos na capital. Imagens de TV mostraram homens combatendo um incêndio em meio a destroços de prédios, além de crianças e mulheres correndo e chorando.

Segundo ativistas, os ataques aéreos foram lançados antes e depois da explosão do carro-bomba, e ainda estão acontecendo.

Entenda: Síria anuncia cessar-fogo de quatro dias durante festa muçulmana

Saiba mais: Veja especial do iG sobre as revoltas no mundo árabe

Também nesta segunda-feira, o enviado da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe para a Síria, Lakhdar Brahimi, se reuniu em Moscou com o chanceler russo, Sergei Lavrov.

"A crise síria é muito, muito perigosa. A situação é ruim e está piorando", afirmou Brahimi. "Classifico o que acontece na Síria de guerra civil. Se isto não é uma guerra, então não sei o que é".

Brahimi também lamentou o fracasso da trégua de quatro dias que havia promovido por ocasião da festividade muçulmana de Eid al-Adha.

Lavrov afirmou que a Rússia está decepcionada com o fato de o cessar-fogo não ter sido cumprido.  "Na Síria está se combatendo cada vez mais. As provocações e as respostas inadequadas acontecem todos os dias. O objetivo para todos os sírios é deixar de disparar e sentar-se à mesa de negociações", insistiu o chanceler russo.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, também lamentou o fracasso do cessar-fogo e reiterou a necessidade de união da comunidade internacional para acabar com a violência.

"Estou profundamente decepcionado com o fato de as partes não terem respeitado o pedido para suspender os confrontos", disse Ban na capital sul-coreana, onde recebeu o prêmio da Paz de Seul.

Com Reuters, AFP e AP

    Leia tudo sobre: síriamundo árabeprimavera árabeassadonucessar fogo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG