Líder da Al-Qaeda pede mais sequestros de estrangeiros

Em novo vídeo com duração de duas horas, Ayman al-Zawahiri diz que muçulmanos devem apoiar rebeldes sírios e assegurar implantação da lei islâmica no Egito

Reuters |

Reuters

AP
Líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, divulga vídeo em apoio aos rebeldes sírios

O líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri , pediu que muçulmanos sequestrem cidadãos de países do Ocidente, juntem-se aos rebeldes na Síria e assegurem que o Egito implemente a lei islâmica sharia. As informações são do Site , que citou trechos retirados de um vídeo postado em sites islâmicos.

Mais:  Líder da Al-Qaeda quer retomada de manifestações contra vídeo anti-Islã

O clérigo nascido no Egito, que se tornou o líder da Al-Qaeda no ano passado após a morte de Osama bin Laden , falou em uma mensagem que durou mais de duas horas. "Estamos buscando, com a ajuda de Alá, capturar outros e incitar os muçulmanos a capturar cidadãos de países que estão combatendo os muçulmanos, para que libertem nossos presos", afirmou.

Ele ainda elegociou o sequestro de Warren Weinstein, um norte-americano de 71 anos que trabalhava com ajuda humanitária no Paquistão e foi capturado no ano passado.

A mensagem de Zawahiri foi publicada na quarta-feira (24), disse Site , apenas duas semanas depois de o clérigo ter feito um pronunciamento por vídeo pedindo mais protestos contra os Estados Unidos sobre um filme feito na Califórnia que zombava do profeta Maomé.

Revolução

Em sua nova mensagem, ele pediu que os muçulmanos garantam a continuação da revolução no Egito até que a lei sharia seja implementada, e exortou os muçulmanos que se juntem à revolta contra o presidente Bashar al-Assad, na Síria. 

A divulgação dessa mensagem foi atrasada, ele disse, por causa das "condições da dura guerra" no Afeganistão e no Paquistão, onde forças lideradas pelos EUA intensificaram os bombardeios.

O presidente norte-americano, Barack Obama, classificado por Zawahiri como "mentiroso" e "um dos maiores apoiadores de Israel", intensificou o uso de aviões não tripulados para atingir militantes em ambos os países e no Iêmen.

    Leia tudo sobre: mundo árabesíriaal-qaedaayman al-zawahiri

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG