Em meio à crise, enviado da Liga Árabe para a Síria vai à Turquia

Lakdhar Brahimi terá uma reunião com o chanceler Ahmet Davutoglu após a deterioração das relações entre Ancara e Damasco

iG São Paulo | - Atualizada às

O enviado da Liga Árabe para a Síria, Lakdhar Brahimi, está na Turquia para se encontrar com autoridades neste sábado, em meio ao acirramento das tensões entre Ancara e Damasco.

Brahimi terá uma reunião com o chanceler Ahmet Davutoglu neste sábado em Istambul para saber a perspectiva do país com a crise. O governo do presidente sírio Bashar al-Assad acusa a Turquia, a Arábia Saudita e o Catar de armar rebeldes.

Leia também:  Avião russo levava equipamento de radar para a Síria, alega chanceler

Saiba mais: Avião sírio carregava equipamentos militares, diz premiê da Turquia

AP
Lakhdar Brahimi (centro) é o enviado da Liga Árabe para a Síria


Veja o especial do iG sobre a revolta no mundo árabe

A visita de Brahimi ocorre um dia depois do encontro de autoridades sauditas na cidade de Jedá. O vice-primeiro ministro Abdel Aziz bin Abdullah teria dito que exigira "uma imediata suspensão do derramamento de sangue do povo sírio".

Apesar da ida de Brahimi à Turquia, segundo a rede britânica BBC apurou, não há um plano de paz traçado. O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, sugeriu que Brahimi vá a Damasco na semana que vem, caso a reunião de hoje seja bem sucedida.

Ativistas: Rebeldes sírios controlam base de defesa aérea em Aleppo

As relações entre a Turquia e a Síria, que já não estavam estáveis, começaram a se deteriorar com a morte de cinco civis turcos por sírios na semana passada. As mortes provocaram um intenso combate na fronteira entre os dois países.

Também no início da semana, a Turquia interceptou uma aeronave que vinha da Rússia em direção à Síria e que, segundo autoridades turcas, carregava munição e armamentos . A Síria negou e desafiou a Turquia a expôr em público suas evidências. Em resposta, Moscou afirmou que não se tratava de armamentos, mas sim equipamentos de radar .

Na Síria, rebeldes sírios tomaram uma base de defesa aérea em Aleppo na sexta-feira , enquanto as forças do governo lutaram contra insurgentes em diferentes frentes em todo o país, segundo relatos de ativistas.

De acordo com a ONU, a violência no país provocou a fuga 340 mil, que procuraram refúgio em países vizinhos. É esperado que esse número dobre até o fim do ano.

Mais de 30 mil pessoas já foram mortas desde o início do conflito que começou como uma revolta popular contra as quatro décadas de ditaduta da família Assad no país.

Com AP e BBC

    Leia tudo sobre: síriaturquiadamascoliga árabeancarabrahimi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG