Partidários e opositores do presidente egípcio se enfrentam no Cairo

Pelo menos 110 pessoas ficaram feridas na praça de Tahrir após serem atingidas por pedras, segundo Ministério da Saúde do país

iG São Paulo |

Pela primeira vez desde que o novo presidente do Egito, Mohamed Mursi, assumiu o cargo seus partidários entraram em confronto com manifestantes liberais e de esquerda, no Cairo. Segundo o Ministério da Saúde, 110 pessoas ficaram feridas em meio a uma chuva de pedras promovida pelos dois grupos de manifestantes, indicou uma fonte hospitalar à agência oficial Mena.

O confronto entre partidários e opositores do presidente reflete a profunda divisão política no país, mais de um ano após a revolta popular que derrubou Hosni Mubarak.

Leia mais: Egito anistia presos envolvidos em revolta que derrubou Mubarak

AP
Homem ferido é carregado na Praça Tahrir, no Egito


O Egito luta contra uma economia em declínio, deterioração da segurança e fortes disputas para a preparação da nova Constituição do país. Além destes problemas há ainda a indignação com a anistia de 25 partidários de Mubarak, que haviam sido acusados de homicídio e tentativa de homicídio durante a revolta do ano passado.

Entenda:Presidente do Egito renuncia e entrega poder ao Exército

Uma testemunha explicou que os confrontos se desencadearam quando um jovem subiu em um palco montado em meio a protestos para gritar contra "o poder do guia espiritual", em uma referência ao líder máximo da Irmandade, Mohammed Badía. Nesse momento, jovens da Irmandade Muçulmana começaram a atacar a tribuna, enquanto, segundo a mesma fonte, cantavam o lema "atrás de Mursi há homens valentes".

No cair da noite, ao menos dois ônibus, supostamente pertencentes à Irmandade Muçulmana, foram vistos em chamas, próximo à praça.

Na TV egípcia, o grupo que apoia o presidente passou a divulgar uma mensagem urgente: "A Irmandade Muçulmana denuncia incidentes lamentáveis na Praça Tahrir, e pede aos seus membros que se retirem da praça."

Em outras localidades do Egito, como na cidade industrial de Mahalla, ao norte, a sede da Irmandade Muçulmana foi invadida e fotos do presidente Mursi foram arrancadas das paredes, segundo informações da rede britânica BBC.

AP
Protestos na praça de Tahrir, no Cairo, deixaram feridos


Com informações da BBC e das agências de notícias

    Leia tudo sobre: egitopolíticaviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG