Explosões em Aleppo, na Síria, deixam 40 mortos e mais de 90 feridos

Quatro explosivos são detonados em cidade palco de violentos confrontos entre rebeldes e forças de segurança

iG São Paulo |

Quatro explosões destruíram um bairro controlado pelo governo perto de um clube de oficiais militares no norte da cidade síria de Aleppo, matando pelo menos 40 pessoas e ferindo mais de 90 nesta quarta-feira, disseram ativistas da oposição.

Os ataques, com minutos de diferença entre um e outro, atingiram a praça principal Saadallah al-Jabiri e uma quinta bomba explodiu a algumas centenas de metros de distância, segundo a televisão estatal, nos arredores da Cidade Velha, onde rebeldes e forças leais ao presidente Bashar Al-Assad tem travado combates intensos.

Leia também: Governo sírio movimentou armas químicas, dizem EUA

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre as revoltas no mundo árabe

Reuters
Imagem divulgada por mídia oficial da Síria mostra local de explosão em Aleppo


"Cinco minutos depois da primeira explosão, uma segunda bomba explodiu. Uma terceira foi detonada 10 minutos depois", disse um repórter da televisão estatal. "Um carro-bomba também explodiu antes que as unidades pudessem desarmá-lo."

A estação de TV transmitiu imagens de três homens mortos disfarçados de soldados que teriam sido baleados pelas forças de segurança antes que pudessem detonar explosivos presos a cintos que estavam vestindo. Um parecia estar segurando um dispositivo de disparo em sua mão.

Aleppo agora está dividida em dois, com as forças de Assad principalmente no oeste e os rebeldes no leste. Vários grandes protestos em apoio ao presidente tinham sido realizados na praça Saadallah al-Jabiri.

Rebeldes que lutam para derrubar o presidente anunciaram na semana passada uma nova ofensiva em Aleppo, centro comercial do país, com 2,5 milhões de habitantes. No entanto, nenhum dos lados parece ter conquistado ganhos significativos até agora.

As explosões desta quarta também acontecem uma semana depois de os rebeldes bombardearem edifícios do comando militar de Assad no coração da capital, Damasco.

Esse ataque foi o maior na capital desde 18 de julho, quando uma bomba matou vários funcionários do alto escalão da segurança, incluindo um cunhado de Assad, o ministro da Defesa e um general.

Com Reuters

    Leia tudo sobre: síriaaleppomundo árabeassadprimavera árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG