ONU amplia lista de sírios suspeitos de crimes de guerra

Investigadores independentes liderados por brasileiro redigem nova relação de indivíduos e unidades militares suspeitos de atrocidades

Reuters |

Reuters

Investigadores de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) disseram nesta segunda-feira que redigiram uma nova lista secreta de indivíduos e unidades militares da Síria suspeitos de cometer crimes contra a humanidade.

Os investigadores independentes, chefiados pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, disseram ter reunido "um conjunto de indícios formidável e extraordinário", com base nos quais pediu ao Conselho de Segurança da ONU que remeta a situação da Síria para o Tribunal Penal Internacional (TPI).

Vídeo:  Meninas sobrevivem 'por milagre' a ataque contra cidade síria

AP
O brasileiro Paulo Pinheiro fala durante reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra

"Uma segunda lista confidencial de indivíduos e unidades supostamente responsáveis por violações está sendo fornecida ao Alto Comissariado de Direitos Humanos", disse Pinheiro ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra.

Ao apresentar a mais nova versão do relatório, divulgado no mês passado, Pinheiro disse que forças governamentais sírias e milícias aliadas ao presidente Bashar Al-Assad haviam cometido crimes de guerra, incluindo assassinatos e torturas de civis, no que parecia ser uma política adotada pelo Estado.

Ele acrescentou que os rebeldes sírios também têm cometido crimes, e que a "crescente e alarmante" presença de militantes islâmicos no país tende a radicalizá-los. O brasileiro não informou se há rebeldes ou autoridades da Síria na lista, que atualiza um relatório confidencial que sua equipe apresentou em fevereiro à alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay. 

O embaixador sírio no Conselho de Direitos Humanos, Khabbaz Hamoui, acusou governos árabes e ocidentais de oferecerem armas e verbas para que os rebeldes travem o que ele qualificou de "jihad" (guerra religiosa islâmica) contra Damasco.

"Os mercenários são uma bomba-relógio que irá explodir mais tarde no país e nos países que os apóiam, depois de eles terem terminado sua missão terrorista na Síria", declarou. Ele disse que o relatório deveria ter citado países que "apoiam os assassinos", entre eles EUA, Qatar, Arábia Saudita, Turquia e Líbia.

Pinheiro disse que a lista de acusados foi mantida em sigilo "devido ao baixo padrão de provas empregado pelas comissões de inquérito em comparação a um tribunal legal, (devido ao) potencial de abalar o direito da presunção de inocência, e (à) ausência de qualquer mecanismo de responsabilidade em que um suspeito possa responder às acusações".

    Leia tudo sobre: síriaonudireitos humanosassadmundo árabeprimavera árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG