Líbia fecha espaço aéreo sobre a cidade de Benghazi após ataques

Governo toma medida depois de milícias armadas abrirem fogo contra aviões não tripulados dos Estados Unidos

iG São Paulo |

O governo da Líbia mandou fechar temporariamente o espaço aéreo sobre o aeroporto de Benghazi nesta sexta-feira. A medida foi tomada após milícias armadas abrirem fogo contra aviões não tripulados dos Estados Unidos, dias depois de o embaixador americano e outras três autoridades  serem mortos em um ataque.

Especula-se que os Estados Unidos tenham iniciado uma ofensiva para capturar os responsáveis pelo embaixador no país, Christopher Stevens. O governo americano não confirma. Fala-se também do envolvimento de grupos terroristas na morte do diplomanta.

AP
Manifestante em frente ao consulado dos EUA na Líbia

Segundo fontes ligadas ao governo líbio, aviões de espionagem sobrevoaram territórios próximos à cidade de Benghazi em busca de pessoas que possam estar envolvidas no protesto realizado após a divulgação de um vídeo que ridiculariza o profeta Maomé.

Leia mais: P rotestos contra filme anti-islâmico se espalha pelo Oriente Médio

"Dois aviões não tripulados americanos sobrevoaram a cidade na noite passada com o conhecimento das autoridades da Líbia", afirmou o Ministro do Interior, Wanis Al-Sharif, à agência de notícias Reuters. "Eles foram atacados por armas antiaéreas usadas pelas milícias", concluiu.

Onda de violência

Manifestantes atacaram as embaixadas da Alemanha e do Reino Unido no Sudão, em mais uma onda de revoltas por causa da divulgação de um vídeo em que o profeta Maomé é ridicularizado. Na capital Cartum, cerca de 500 pessoas colocaram fogo nos prédio dos dois órgãos internacionais e subsituíram as bandeiras alemã e britânica por uma islâmica.

Mais cedo, um restaurante da rede KFC foi incendiado em Trípoli, no norte do Líbado, e uma pessoa morreu. O Papa Bento 16 está em Beirute para uma visita de três dias e pediu o fim dos protestos violentos que seguem se espalhando pelo mundo árabe. Forças de segurança do país entraram em confronto com manifestantes, mas ainda não há relatos sobre o número de feridos.

Em outro episódio, ao menos três pessoas morreram e 28 ficaram feridas em um confronto entre manifestantes e forças de segurança da Tunísia. De acordo com relatos veiculados na rede de televisão local, um grande grupo tentou atacar a embaixada dos Estados Unidos em protesto ao vídeo anti-islâmico que circula no YouTube. As autoridades utilizaram gás lacrimogêneo e munição real.

Com Reuters

    Leia tudo sobre: líbiaeuabenghazi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG