Presidente egípcio ordena retirada de chefe das Forças Armadas

Ex-ministro da Defesa do regime de Mubarak, Hussein Tantawi ocupou posto de líder interino após queda do ex-líder egípcio

iG São Paulo |

O presidente egípcio, Mohammed Morsi , ordenou neste domingo a retirada do ministro da Defesa, o marechal Hussein Tantawi, uma das principais figuras políticas do país, e cancelou uma declaração constitucional que limitava os poderes presidenciais, editada em junho pelo antigo governo militar.

Operação pós-ataque: Forças do Egito enfrentam militantes no Sinai

AP
No Cairo, Morsi (D) recebe o general Abdel-Fattah el-Sissi, apontado como novo ministro da Defesa

Além das mudanças, Morsi apontou também o juiz sênior Mahmoud Mekki como vice-presidente, de acordo com a Associated Press. O número 2 à frente das Forças Armadas, Sami Annan, também foi retirado do cargo. Segundo o porta-voz da presidência, Yasser Ali, Morsi nomeou o general Abdel-Fattah el-Sissi para substituir Tantawi e o general Sidki Sayed Ahmed para o lugar de Annan.

De acordo com a BBC, não está claro, no entanto, se o presidente egípcio tem poder para tirar o chefe das Forças Armadas do posto ou mesmo de Tantawi aceitaria as mudanças declaradas.

Além disso, o presidente também ordenou a saída de comandantes da Marinha e da Força Área e de Defesa. O comandante da Marinha aposentado Mohan Mameesh foi nomeado governador do Canal de Suez, estratégica passagem que liga o Mar Vermelho ao Mediterrâneo considerada uma grande fonte de receita para o país.

As intervenções representam uma tentativa de mostrar autoridade na disputa interna entre o Poder Executivo e os militares.

Disputa de poder

Desde a queda do ex-presidente Hosni Mubarak , as relações entre os militares e a Irmandade Muçulmana, da qual Morsi fazia parte, têm sido tensas.

Sob uma declaração constitucional emitida antes de Morsi tomar o poder, o presidente ficava proibido de governar no que diz respeito a assuntos relacionados aos militares, ou mesmo indicar nomes para os postos mais altos.

O Conselho Supremo das Forças Armadas, que emitiu a declaração, também ordenou antes da posse de Morsi a dissolução do Parlamento egípcio , que é dominado por aliados islamitas do presidente.

Como chefe das Forças Armadas, Tantawi se tornou líder interino após a renúncia de Mubarak, provocada por uma onda de protestos contrários ao seu governo no início de 2011.

Reuters
Field Marshal Mohamed Hussein Tantawi foi ministro da Defesa de Mubarak (foto de arquivo)

*Com BBC, AP e Reuters

    Leia tudo sobre: egito morsitantawimilitarpresidenteforças armadasmubarak

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG