Governo egípcio suspende canal de televisão hostil aos islamitas

Segundo TV estatal, canal privado Al-Farain terá transmissão suspensa por um mês e pode ter licença revogada se 'continuar com abusos' contra Irmandade Muçulmana

AFP |

AFP

Um canal de televisão egípcio hostil à Irmandade Muçulmana e ao presidente islamita Mohammed Morsi foi alvo de uma suspensão de um mês e poderá ser fechado definitivamente, indicou nesta quinta-feira a televisão pública.

Tensão no Sinai: Presidente do Egito demite chefe de inteligência após ataque 

O canal privado Al-Farain "terá sua transmissão suspensa por um mês" pelas autoridades e "terá sua licença revogada, caso continue com seus abusos", informou a televisão estatal.

AFP
Presidente egípcio, Mohammed Morsi, se reuniu com o vice-presidente iraniano, Hamid Baghaei, no Cairo (8/8)

Já a Promotoria anunciou em um comunicado o lançamento de uma investigação, após denúncias contra o proprietário do canal, Tewfik Okasha, acusado de "incitar o assassinato do presidente Morsi e a derrubada do poder".

O canal Al-Farain, com sede no Cairo, é favorável ao presidente deposto Hosni Mubarak e famoso por seus comentários virulentos contra os islamitas, especialmente contra a Irmandade Muçulmana.

O anúncio de sua suspensão ocorre em meio a um clima tenso entre parte da imprensa e o novo governo, com a decisão de três jornais independentes de publicar espaços em branco nesta quinta-feira, em vez de seus editoriais habituais.

Os jornais buscaram protestar contra o que acreditam ser uma vontade de controle da imprensa por parte Irmandade Muçulmana, após a nomeação de diversas pessoas ligadas aos islamitas para postos de direção de jornais do governo.

As nomeações foram feitas pela câmara alta do Parlamento (Shura), dominada pela Irmandade Muçulmana, em um procedimento herdado da era do presidente Mubarak.

    Leia tudo sobre: egitoimprensapolíticamorsitvcanal de tval-farain

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG