Obama autoriza ajuda secreta dos EUA a rebeldes sírios, dizem fontes

Ordem presidencial, que teria sido aprovada neste ano, permite que a CIA e outras agências ajudem ativamente os insurgentes sírios contra o regime de Bashar al-Assad

Reuters |

Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou uma portaria secreta que autoriza o apoio americano aos rebeldes que tentam derrubar o presidente da Síria, Bashar al-Assad, segundo fontes americanas. 

Guerra:  Ativistas criticam rebeldes por vídeo com execução de partidários de líder sírio

A ordem presidencial, aprovada neste ano, permite que a CIA e outras agências ajudem ativamente os insurgentes sírios. Esse e outros fatos sinalizam um apoio crescente, embora ainda circunscrito, aos oponentes armados do regime, tendência que se intensificou depois que no mês passado países aliados de Assad vetaram uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que levaria a sanções contra a Síria.

AP
Membros do Exército Livre da Síria se preparam para operação em Azaz (29/7)

Por enquanto, a Casa Branca parece estar evitando entregar armas letais aos rebeldes, como fazem alguns aliados de Washington. Mas autoridades americanas e europeias dizem que tem havido melhoras significativas na coerência e eficácia dos grupos rebeldes sírios nas últimas semanas. Diferentemente de antes, quando governos ocidentais costumavam considerar a oposição síria desorganizada, quase caótica.

Conflito na Líbia:  Coalizão evita discussão sobre armar rebeldes

Não foi possível determinar exatamente quando Obama assinou a ordem secreta, e a dimensão completa da ajuda tampouco ficou clara. O porta-voz da Casa Branca, Tommy Vietor, se negou a comentar o assunto.

Uma fonte governamental admitiu que, em conformidade com a portaria presidencial, os EUA estão colaborando com um centro secreto de comando operado pela Turquia e por seus aliados.

Na semana passada a Reuters noticiou que a Turquia, juntamente Arábia Saudita e Catar, havia instalado uma base secreta perto da fronteira com a Síria para ajudar a direcionar equipamentos militares e de comunicações para os adversários de Assad.

Estratégico

Esse "centro nervoso" fica em Adana, cidade turca a cerca de 100 quilômetros da fronteira síria. Na mesma região está a base aérea americana de Incirlik, com importante presença das agências de inteligência dos EUA.

Na terça-feira o canal NBC News noticiou que Exército Livre da Síria obteve quase duas dúzias de mísseis terra-ar, que poderiam ser usados contra helicópteros e aviões do governo. O regime de Assad tem intensificado o uso da sua aviação de combate nos últimos dias. A NBC disse ainda que esses mísseis portáteis foram entregues aos rebeldes via Turquia.

Mas nesta quarta-feira um representante político do Exército Livre da Síria negou, em entrevista à TV Al-Arabiya, que o grupo tenha recebido essas armas. Fontes do governo norte-americano disseram que não poderiam confirmar nem desmentir a informação.

AP
Imagem de vídeo mostra suposto protesto antes de funeral em Damasco, Síria


    Leia tudo sobre: síriaobamaassadeuarebeldesarmasajudaoposição

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG