Presidente do Egito reverte decisão da corte sobre dissolução do Parlamento

Mohammed Morsi anulou ordem da Suprema Corte de junho por meio de decreto e anunciou realização de eleições após aprovação de nova Constituição

iG São Paulo | - Atualizada às

O novo presidente egípcio , Mohammed Morsi, decidiu neste domingo, por decreto, anular a ordem da Suprema Corte Constitucional  para dissolver o Parlamento.

14 de junho:  Suprema Corte do Egito ordena dissolução do Parlamento

"O presidente Morsi emitiu um decreto presidencial anulando a decisão de 15 de junho de 2012 que dissolvia a Assembleia do Povo e convidou a câmara a reunir-se novamente paera exercer suas prerrogativas", indicou a agência de notícias egípcia Mena.

AP
Morsi (D) se reúne com o vice-secretário de Estado americano, William Burns, no Cairo

Morsi determinou neste domingo o restabelecimento das sessões e prerrogativas do Parlamento previamente dissolvido por resolução apoiada pela junta militar.

O presidente egípcio anunciou também a realização de eleições nos 60 dias posteriores à aprovação da nova Constituição por parte do Parlamento.

Apoio: Juíza ajudou militares a cimentar poder no Egito

Para decisão de junho sobre a dissolução do Parlamento, a Suprema Corte Constitucional argumentou que a eleição legislativa foi inconstitucional. A ordem fazia até então com que a junta militar que governa o país desde a queda do ex-presidente Hosni Mubarak reassumisse o controle do Legislativo.

Na época da decisão, manifestantes protestaram em frente ao prédio da corte. Uma cerca de arame farpado foi montada ao redor do tribunal, que ficou por dias sob forte esquema policial. Críticos diziam que a decisão poderia ser desastrosa para a estabilidade do Egito ao levantar novas dúvidas sobre o compromisso da junta militar com a transição democrática.

De acordo com a decisão dada neste domingo pelo novo presidente egípcio, o Parlamento deve se reunir novamente até que novas eleições sejam realizadas.

Decisão: Corte do Egito anula poder de prisão do Exército

A ordem dada por Morsi, segundo analistas, será vista como ameaça direta à junta, que havia garantido poderes para si e diminuído a autoridade do presidente frente à dos militares. 

Após a decisão de Morsi, a agência estatal anunciou uma reunião de generais para debater o decreto feito pelo presidente egípcio sobre o Parlamento.

Visita aos EUA

Ainda neste domingo, o governo egípcio anunciou que o presidente americano, Barack Obama, convidou Morsi para uma visita aos EUA em setembro.

"O presidente Obama convidou o presidente Morsi a visitar os EUA quando ele participar da Assembleia Geral da ONU em setembro", disse o assessor egípcio Yasser Ali, depois que Mursi se encontrou com o vice-secretário de Estado americano, William Burns.

AP
Foto de janeiro deste ano mostra sessão do Parlamento egípcio

*Com BBC e Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG