Aeronave transportava urnas eleitorais à cidade de Benghazi para eleição da Assembleia Constituinte, no sábado, a primeira no país pós-Kadafi

EFE

Um funcionário da Comissão Suprema Eleitoral morreu nesta sexta-feira em um ataque ao helicóptero que transportava urnas eleitorais à cidade de Benghazi, no leste da Líbia, onde no sábado serão realizadas as eleições para o Conselho Nacional Geral (Assembleia Constituinte) do país.

Pós-Kadafi: Às vésperas de primeiras eleições livres, 'Líbia pode mergulhar no caos'

Autoridades líbias arrumam centro de votação em Trípoli, para eleição da assembleia no sábado
AP
Autoridades líbias arrumam centro de votação em Trípoli, para eleição da assembleia no sábado

A autoria do ataque ainda é desconhecida, e o helicóptero foi obrigado a realizar um pouso de emergência. Além disso, um foguete e uma bomba foram lançados contra um hospital de Benghazi, a segunda maior cidade do país, sem deixar mortos. 

Na última quinta-feira, outro grupo de desconhecidos ateou fogo ao armazém no qual se encontravam as urnas para as eleições.

Todas as urnas foram queimadas no incêndio, embora fontes oficiais indiquem que a Comissão Suprema Eleitoral está fazendo todo o possível para evitar atrasos na abertura dos colégios eleitorais, prevista para as 8h (3h em Brasília).

Além disso, na última noite um grupo de manifestantes forçou o fechamento de dois portos petroleiros do leste de Líbia para exigir uma "distribuição mais equitativa" das 200 cadeiras do Conselho Nacional.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.