Turquia envia jatos à fronteira após aproximação de helicópteros da Síria

Tensão entre dois países ocorre enquanto mídia estatal síria e oposição rejeitam proposta de governo de unidade apresentada no sábado por conferência internacional em Genebra

iG São Paulo |

A Turquia enviou um total de seis jatos F16 para perto de sua fronteira com a Síria, disse o comandante das Forças Armadas do país. A medida foi tomada em resposta a três casos de helicópteros militares sírios se aproximando da fronteira turca, apesar de não ter havido nenhuma violação dos limites do país, de acordo com um comunicado.

Preparativos: Turquia posiciona baterias antiaéreas na fronteira com a Síria

A movimentação ocorreu depois de, no mês passado, as forças sírias terem abatido um jato turco perto da área fronteiriça. O incidente aumentou as tensões entre os dois países e fez o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, advertir Damasco de que retaliaria a qualquer violação de fronteira.

Advertência: Turquia ameaça ação militar contra Síria se fronteira for violada

Abatido: Avião militar da Turquia 'some' perto da fronteira com a Síria

Na sexta-feira, a Turquia anunciou que começou a posicionar lançadores de foguete e armas antiaéreas ao longo da fronteira em resposta à ação que derrubou o jato F-4 Phantom. A Turquia vem sendo uma forte crítica à repressão do governo de Bashar al-Assad ao levante popular de quase 16 meses, que forçou a fuga para a Turquia de mais de 30 mil refugiados sírios.

Reação à reunião de Genebra

A tensão entre Turquia e Síria ocorreu no mesmo dia em que a mídia estatal, vinculada ao governo Assad, e os grupos de oposição do país árabe rejeitaram uma proposta apresentada no sábado pelas potências e por algumas nações árabes para pôr fim à violência síria.

Proposta: Acordo de conferência para paz na Síria deixa em aberto permanência de Assad

O enviado da ONU para a Síria, Kofi Annan, disse que o Grupo de Ação para a Síria, que reúne os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (EUA, Rússia, China, Reino Unido e França) mais Turquia, Iraque, Kuwait e Catar, concordou que seja formado um governo de transição para a Síria. Segundo ele, a nova administração deve ter "poderes executivos totais" e ter integrantes da oposição e do atual governo, mas não está claro se Assad a integraria.

A imprensa estatal criticou a proposta afirmando que ela não leva em conta a opinião dos cidadãos sírios e ignora a existência de grupos armados no país. Segundo um editorial do jornal estatal Al-Zaura, a reunião de sábado em Genebra foi um "fracasso". Além disso, a publicação acusou Washington de apoiar grupos terroristas, que Damasco responsabiliza pela violência.

"Nenhuma solução será possível se não tiver como base o que deseja o povo sírio, fonte de legalidade. Os sírios são capazes de iniciar um diálogo nacional no qual não cabem nem os países vizinhos nem os países mais afastados, em particular os que estimulam os sírios a matar-se", afirmou o jornal do partido governista, Al-Baas.

O jornal Al-Watan, ligado ao regime, celebrou o fato de o comunicado final da reunião de Genebra não mencionar um cenário de fim de crise parecido com o Iêmen ( saída negociada do presidente) ou Líbia ( intervenção estrangeira para derrubar o regime).

Os Comitês Locais de Coordenação (LCC), que organizam a mobilização da oposição síria, denunciaram em um comunicado "os subterfúgios obscuros" utilizados no acordo, que permitem ao regime "jogar com o tempo para reprimir o movimento de revolução popular e calar o movimento com violência e massacres".

AP
Manifestantes seguram bandeiras da revolução durante protestos em Idlib, norte da Síria (29/06)

O acordo sobre a transição na Síria "é apenas uma versão, apenas diferente na forma, das demandas dos dirigentes russos, aliados do regime de Assad, e que o protegem política e militarmente ante as pressões internacionais", afirmam.

Por sua vez, Bassma Kodmani, porta-voz do Conselho Nacional Sírio (CNS), principal grupo de oposição, afirmou que a declaração de Genebra "parece sugerir alguns elementos positivos". "O primeiro é que a declaração final final indica que os participantes chegaram a um acordo para dizer que a família Assad não pode dirigir mais o país e, portanto, não pode conduzir o período de transição."

"O segundo ponto positivo é que existe um acordo para dizer que a transição deve responder às aspirações legítimas do povo sírio. Essa expressão significa para nós a saída de Assad, pois os sírios já se manifestaram nesse sentido", completou Kodmani. Ao mesmo tempo, criticou que "elementos importantes continuam sendo muito implícitos e ambíguos, e o plano muito vago para poder prever uma ação real e imediata". 

*Com BBC, AFP e EFE

    Leia tudo sobre: síriaassadprimavera árabeannanturquiaerdoganonu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG