Segundo Chancelaria britânica, embarcação aparentemente está voltando para Rússia após companhia retirar cobertura ao tomar conhecimento de suposta carga militar

Um navio operado pela Rússia e supostamente carregando helicópteros militares para a Síria parece ter dado a meia volta depois de sua companhia de seguro britânica ter retirado a cobertura sobre a embarcação, disseram autoridades britânicas nesta terça-feira.

Proteção: Rússia planeja enviar navios à base síria; Obama e Putin debatem conflito

Reprodução de vídeo amador mostra fumaça saindo de prédios na cidade de Rastan, Homs, Síria
AP
Reprodução de vídeo amador mostra fumaça saindo de prédios na cidade de Rastan, Homs, Síria

Elemento-chave no conflito: Rússia aceita risco ao se posicionar sobre situação na Síria

O Ministério de Relações Externas do Reino Unido disse que o navio, o MV Alaed, mudou seu curso na Europa depois do surgimento de informações sobre sua suposta carga. Mais cedo, o ministério confirmou ter conhecimento de um navio com uma consignação de helicópteros remodelados de ataque de fabricação russa em direção à Síria.

O navio "voltou e aparentemente agora se dirige à Rússia", disse o chanceler britânico, William Hague, aos legisladores no Parlamento. A embarcação parece que evitava as águas territoriais britânicas e da União Europeia (UE), disse o ministério.

As informações surgiram depois que a companhia de seguros Standard Club, cuja base fica no Reino Unido, anunciou ter retirado a cobertura de seguro do proprietário da embarcação quando soube que ela carregava munições, em uma quebra de suas regras.

O Reino Unido uniu-se aos EUA e a outros países em pressionar a Rússia a parar de fornecer armas ao regime sírio de Bashar al-Assad. Grupos de oposição dizem que mais de 14 mil pessoas morreram desde o início do levante na Síria, em março de 2011, com protestos em sua maioria pacíficos contra o governo. Uma repressão governamental feroz, porém, fez com que muitos pegassem em armas, e o conflito é agora uma insurgência armada.

Escalada:  Levante na Síria completa um ano e ameaça se espalhar por região

A Síria é o último aliado da Rússia no Oriente Médio, e tem sido um grande cliente das indústrias de armas russas e soviéticas durante as últimas quatro décadas, adquirindo bilhões de dólares em jatos de combate, helicópteros, mísseis, veículos blindados e outros equipamentos militares. A Rússia também tem evitado que o regime de Assad sofra sanções internacionais por causa de sua violenta repressão.

A Chancelaria britânica disse que Hague afirmou ao ministro de Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, que todos os fornecimentos de Defesa para a Síria devem parar. "Estamos trabalhando proximamente com nossos parceiros internacionais para assegurar que façamos tudo o que pudermos para impedir que a capacidade do regime sírio de matar civis seja reforçada por meio da assistência de outros países", disse o ministério britânico em uma declaração.

Impasse: Síria aumenta tensão entre EUA e Rússia e expõe limites da diplomacia americana

Femco, o operador russo da embarcação,  recusou-se a fazer comentários nesta terça-feira. De acordo com a BBC, o navio estava a 80 km de Outer Hebrides, na costa noroeste da Escócia. A Chancelaria britânica e o Standard Club se recusaram a dar detalhes sobre sua localização.

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, fez uma dura reprimenda contra a Rússia na semana passada, dizendo que Moscou "dramaticamente" escalou a crise na Síria ao enviar helicópteros de ataque ao país . Mais tarde, o Departamento de Estado americano reconheceu que os helicópteros mencionados eram na verdade aenonaves remodeladas já pertencentes ao regime de Assad, mas a Rússia ficou claramente irritada com os comentários , o que aumentou ainda mais as tensões entre os dois países em relação à Síria.

Ainda não está claro se os helicópteros supostamente a bordo do Alaed são aqueles a que Hillary se referiu.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.