Empresa retira seguro e navio russo com 'helicópteros' cancela viagem à Síria

Segundo Chancelaria britânica, embarcação aparentemente está voltando para Rússia após companhia retirar cobertura ao tomar conhecimento de suposta carga militar

iG São Paulo | - Atualizada às

Um navio operado pela Rússia e supostamente carregando helicópteros militares para a Síria parece ter dado a meia volta depois de sua companhia de seguro britânica ter retirado a cobertura sobre a embarcação, disseram autoridades britânicas nesta terça-feira.

Proteção: Rússia planeja enviar navios à base síria; Obama e Putin debatem conflito

AP
Reprodução de vídeo amador mostra fumaça saindo de prédios na cidade de Rastan, Homs, Síria

Elemento-chave no conflito: Rússia aceita risco ao se posicionar sobre situação na Síria

O Ministério de Relações Externas do Reino Unido disse que o navio, o MV Alaed, mudou seu curso na Europa depois do surgimento de informações sobre sua suposta carga. Mais cedo, o ministério confirmou ter conhecimento de um navio com uma consignação de helicópteros remodelados de ataque de fabricação russa em direção à Síria.

O navio "voltou e aparentemente agora se dirige à Rússia", disse o chanceler britânico, William Hague, aos legisladores no Parlamento. A embarcação parece que evitava as águas territoriais britânicas e da União Europeia (UE), disse o ministério.

As informações surgiram depois que a companhia de seguros Standard Club, cuja base fica no Reino Unido, anunciou ter retirado a cobertura de seguro do proprietário da embarcação quando soube que ela carregava munições, em uma quebra de suas regras.

O Reino Unido uniu-se aos EUA e a outros países em pressionar a Rússia a parar de fornecer armas ao regime sírio de Bashar al-Assad. Grupos de oposição dizem que mais de 14 mil pessoas morreram desde o início do levante na Síria, em março de 2011, com protestos em sua maioria pacíficos contra o governo. Uma repressão governamental feroz, porém, fez com que muitos pegassem em armas, e o conflito é agora uma insurgência armada.

Escalada:  Levante na Síria completa um ano e ameaça se espalhar por região

A Síria é o último aliado da Rússia no Oriente Médio, e tem sido um grande cliente das indústrias de armas russas e soviéticas durante as últimas quatro décadas, adquirindo bilhões de dólares em jatos de combate, helicópteros, mísseis, veículos blindados e outros equipamentos militares. A Rússia também tem evitado que o regime de Assad sofra sanções internacionais por causa de sua violenta repressão.

A Chancelaria britânica disse que Hague afirmou ao ministro de Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, que todos os fornecimentos de Defesa para a Síria devem parar. "Estamos trabalhando proximamente com nossos parceiros internacionais para assegurar que façamos tudo o que pudermos para impedir que a capacidade do regime sírio de matar civis seja reforçada por meio da assistência de outros países", disse o ministério britânico em uma declaração.

Impasse: Síria aumenta tensão entre EUA e Rússia e expõe limites da diplomacia americana

Femco, o operador russo da embarcação,  recusou-se a fazer comentários nesta terça-feira. De acordo com a BBC, o navio estava a 80 km de Outer Hebrides, na costa noroeste da Escócia. A Chancelaria britânica e o Standard Club se recusaram a dar detalhes sobre sua localização.

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, fez uma dura reprimenda contra a Rússia na semana passada, dizendo que Moscou "dramaticamente" escalou a crise na Síria ao enviar helicópteros de ataque ao país . Mais tarde, o Departamento de Estado americano reconheceu que os helicópteros mencionados eram na verdade aenonaves remodeladas já pertencentes ao regime de Assad, mas a Rússia ficou claramente irritada com os comentários , o que aumentou ainda mais as tensões entre os dois países em relação à Síria.

Ainda não está claro se os helicópteros supostamente a bordo do Alaed são aqueles a que Hillary se referiu.

*Com AP

    Leia tudo sobre: síriaassadprimavera áraberússiaeuareino unido

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG