Observadores da ONU suspendem missão na Síria

Chefe da missão afirmou em comunicado que decisão deve-se à "intensificação da violência armada"

iG São Paulo | - Atualizada às

Os observadores da ONU suspenderam suas atividades na Síria devido à "intensificação da violência", anunciou neste sábado em um comunicado o general norueguês Robert Mood, chefe da missão.

Leia também:  Síria aumenta tensão entre EUA e Rússia e expõe limites da diplomacia americana

"Devido à intensificação da violência armada nestes dez dias (...) e aos riscos, a missão de observadores da ONU (UNSMIS) suspende suas atividades. Os observadores deixarão de patrulhar até nova ordem. Os contatos com as partes serão limitados. A ausência de vontade das duas partes (governo e rebeldes) para chegar a uma transição pacífica aumentam as perdas. Civis inocentes, homens, mulheres e crianças morreram todos os dias. Isso aumenta também os riscos dos observadores. Esta suspensão das atividades da ONU será reavaliada cotidianamente. As atividades serão retomadas quando a situação permitir", segundo o comunicado.

O governo sírio disse que "compreende" a decisão da ONU. "Dissemos ao general Mood que entendemos a decisão tomada, em particular no referente a salvaguardar a segurança dos observadores", assinalou o Ministério das Relações Exteriores em comunicado.

Na terça-feira foram disparados tiros contra um carro de observadores da ONU impedidos de entrar na cidade de Haffeh por partidários irados de Assad, que atiraram pedras e barras de metal contra seu comboio. Três carros da ONU também foram danificados em maio quando ficaram em meio a um ataque que matou 21 civis em Khan Sheikhoun.

Muitas centenas de pessoas, incluindo civis, rebeldes e forças do governo, foram mortas nos dois meses desde que o acordo de cessar-fogo deveria ter entrado em vigor.

Mas a violência aumentou drasticamente no último mês. Os rebeldes abandonaram o compromisso com o cessar-fogo mediado por Annan e as forças do governo vêm usando artilharia e helicópteros nos ataques aos redutos da oposição.

* Com EFE, Reuters e AFP

    Leia tudo sobre: síriaassadprimavera árabemundo árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG