Egito indicia filhos de Mubarak por uso de informação privilegiada

Gamal e Alaa, atualmente julgados por corrupção, recebem novas acusações por ganho ilegal com venda de banco

iG São Paulo |

Os dois filhos do ex-presidente do Egito Hosni Mubarak foram indiciados nesta quarta-feira sob acusação de obter ganhos ilícitos a partir de informação privilegiada (prática conhecida como “insider trading”). Gamal e Alaa, que já estão na prisão e atualmente são julgados por corrupção, foram indiciados com mais sete homens que teriam lucrado com a venda de um banco.

Leia também: Corte do Egito condena diretor de gabinete de Mubarak por corrupção

AP
Alaa Mubarak, filho de Hosni Mubarak, chega a tribunal no Cairo, capital do Egito (24/01)

A procuradoria-geral do Egito não deu mais detalhes sobre as acusações. Não está claro se os indiciados estão sob custódia ou se uma data para o novo julgamento foi marcada.

No sábado, a Justiça egípcia anunciará se Gamal e Alaa são inocentes ou culpados de abusar do poder para acumular riqueza. Segundo autoridades, os irmãos têm cerca de US$ 340 milhões em contas bancárias na Suíça.

Para analistas, as novas acusações podem ter sido anunciadas nesta quarta-feira para garantir que os filhos de Mubarak continuem enfrentando a Justiça mesmo no caso de serem absolvidos da acusação anterior.

Gamal, 48 anos, era visto como provável sucessor de Mubarak, forçado a renunciar em fevereiro do ano passado após 18 dias de revolta popular contra seu regime. Alaa, 50, é um empresário que com pouca participação política.

Um dos outros sete homens indiciados é o filho de Mohammed Hassanein Heikal, o mais conhecido analista político do país e amigo do ex-presidente Gamal Abdel-Nasser.

No domingo, um tribunal egípcio condenou o último diretor de gabinete de Mubarak a sete anos de prisão por corrupção. Além disso, Zakaria Azmi, julgado desde o ano passado, também foi sentenciado a pagar uma multa de 38 milhões de libras egípcias (US$ 6,2 milhões).

A decisão sobre o julgamento do Mubarak, acusado de ordenar a morte de manifestantes durante o levante popular, também será anunciada no sábado, em meio à campanha eleitoral para o segundo turno das eleições presidenciais egípcias.

O segundo turno da histórica votação será entre o candidato da Irmandade Muçulmana, Mohammed Morsi, e o ex-premiê Ahmed Shafiq, nomeado por Mubarak nos últimos dias de seu governo.

Com AP

    Leia tudo sobre: mubarakgalalalaamundo árabeegitoprimavera árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG