Austrália não descarta uma intervenção militar na Síria

Ministro australiano cogitou dialogar sobre eventual alternativa, mas considera ação "altamente arriscada"

EFE |

A Austrália "não exclui" a hipótese de uma eventual intervenção militar internacional na Síria para pôr fim à repressão do regime de Bashar al-Assad, disse nesta quarta-feira seu ministro das Relações Exteriores, Bob Carr.

Leia também: Países ocidentais expulsam diplomatas sírios em protesto contra massacre

O chefe da diplomacia australiana comentou aos jornalistas em Canberra que vale a pena dialogar sobre essa eventual alternativa, embora tenha considerado que seria "altamente arriscada" e implicaria um "grande compromisso em recursos".

As declarações de Carr vão ao encontro da postura do presidente francês, François Hollande, que também não exclui a possibilidade de produzir uma intervenção armada na Síria, desde que seja coordenada pelo Conselho de Segurança da ONU.

Violência na Síria: Annan condena massacre em Houla, que deixou 108 mortos

A probabilidade de essa hipotética intervenção militar receber sinal verde é pequena, devido à postura de Rússia e China no seio do Conselho de Segurança. Além disso, os Estados Unidos consideram que essa saída "levaria a um caos maior".

A Austrália, assim como EUA, Reino Unido, França, Alemanha e Canadá, expulsou diplomatas sírios de seu território em resposta ao massacre de Al Houla, no qual morreram mais de 100 pessoas, a maioria mulheres e crianças.

    Leia tudo sobre: síriamundo árabeonukofi annanassadprimavera árabeaustráliamassacre de houla

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG