UE condena massacre na Síria e pede o fim da violência

Chefe da diplomacia se declarou "consternada" pelo brutal massacre na cidade de Houla pelas tropas do governo

EFE |

A chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Catherine Ashton, condenou neste domingo (27) o massacre de Houla, na Síria, e pediu ao governo de Bashar al Assad à cessação imediata da violência.

Leia também: Oposição síria pede ajuda à ONU após matança
Saiba mais: Atentado suicida mata nove e fere cem na Síria

Ashton se declarou "consternada" pelo brutal massacre ocorrido na sexta-feira, na qual 92 pessoas, entre elas 32 crianças, perderam a vida .

"Condeno nos termos mais duros este ato atroz perpetrado pelo regime sírio contra sua própria população civil, apesar do cessar-fogo estipulado e da presença de observadores da ONU", disse em comunicado.

Além disso, Ashton pediu ao regime sírio que inicie de maneira íntegra o plano de seis pontos do enviado especial das Nações Unidas, Kofi Annan , respaldado pela resolução 2.043 da ONU.

"A UE apoia totalmente os esforços de Kofi Annan e sua equipe para sentar as bases de um processo político. Amanhã falarei com Annan para expressar-lhe esse respaldo", declarou a máxima responsável da diplomacia europeia.

Ashton indicou que a comunidade internacional "deve falar com uma só voz, pedir o final do derramamento de sangue e que Assad fique à margem, permitindo uma transição política".

    Leia tudo sobre: síriamassacreUnião Europeiagoverno

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG