Eleitores de Benghazi vão às urnas pela 1ª vez após queda de Kadafi

Votação para conselho local é realizada em cidade que deu início ao levante e hoje integra área que se declarou semiautônoma

iG São Paulo |

Moradores de Benghazi, na Líbia, foram as urnas neste sábado na primeira votação local desde a queda do líder Muamar Kadafi , morto em outubro do ano passado. Mais de 400 candidatos competem por 41 assentos no conselho local da cidade, a segunda maior do país, onde a revolta contra Kadafi teve início. Os resultados devem ser anunciados na quarta-feira.

Leia também: Líbios tentam recuperar propriedades apreendidas por Kadafi

Reuters
Mulheres fazem fila para votar nas eleições para o conselho local de Benghazi, na Líbia

Como o ex-líder ficou no poder por mais de 40 anos , esta é a primeira vez que Benghazi realiza uma eleição desde os anos 1960. Alguns dos locais de votação estavam tão cheios que tiveram de ficar abertos uma hora a mais que o programado.

“Espero que essa eleição seja genuína, porque as pessoas de Benghazi merecem viver bem após tudo o que passaram e todos os sacrifícios que fizeram”, disse Shoueb Idris, um engenheiro de petróleo de 27 anos.

Houve pouca campanha eleitoral nas ruas e na internet, mas os moradores pareciam entusiasmados.

“Nos últimos 40 anos não tivemos a oportunidade de dizer o que queríamos, mas agora podemos decidir nosso próprio destino”, afirmou Wanees al-Majberi.

Outras cidades da Líbia já realizaram votações após a queda de Kadafi, como Misrata, a segunda maior do país, que escolheu seu conselho local em fevereiro.

Eleições para a Assembleia Nacional estão programadas para junho.

Desde a morte de Kadafi , o Conselho Nacional de Transição, que assumiu o poder federal, buscar impor sua autoridade em todo o país.

Leia também: Líder interino da Líbia ameaça usar a força para impedir divisão do país

Mas, em março, líderes tribais e comandantes de milícias criaram uma região semiautônoma no leste da Líbia, aumento o temor quanto à possibilidade de o país ser dividido em várias partes.

Os líderes do movimento a favor da região semiautônoma, conhecida como Barqa, conclamaram os manifestantes do leste a boicotar as eleições parlamentares do mês que vem. Para eles, a votação é só uma ferramenta para “marginalizar” o leste.

Com AP

    Leia tudo sobre: líbiabenghazimundo árabeprimavera árabekadafimorte de kadafi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG