Milhares protestam principalmente em Aleppo contra regime enquanto Annan se prepara para uma visita a país árabe

Manifestações sem precedentes desde o início da revolta contra o regime do presidente Bashar Al-Assad aconteceram nesta sexta-feira na Síria, principalmente em Aleppo, segunda maior cidade do país, enquanto o emissário internacional Kofi Annan se prepara para uma visita.

Terrorismo: Secretário-geral da ONU vincula Al-Qaeda a ataque duplo na Síria

Manifestantes antigoverno se manifestam com bandeira antiga da Síria em Atareb, Província de Idlib
AFP
Manifestantes antigoverno se manifestam com bandeira antiga da Síria em Atareb, Província de Idlib
Tensão: Revolta na Síria provoca confrontos sectários no Líbano

Aleppo, distante das contestações nos primeiros meses da revolta, foi palco nesta sexta-feira "das manifestantes mais importantes", segundo ativistas. "Milhares protestaram em vários bairros, apesar da repressão", de acordo com o presidente do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahman. "Aleppo experimenta uma verdadeira insurreição", afirmou Mohammad al-Halabi, um militante local.

Apesar da persistência da violência e dos ataques às cidades, dezenas de milhares tomaram as ruas de todo o país, segundo o OSDH. Foram as maiores manifestações desde o anúncio do cessar-fogo , em 12 de abril. "Queremos a liberdade, quer você queira ou não, Bashar, inimigo da humanidade", gritavam os manifestantes em Deir Ezzor.

Mais uma vez, as tropas do regime abriram fogo contra a multidão em Aleppo e na Província de Damasco, deixando vários feridos. Os bombardeios também continuaram contra os postos rebeldes em Rastan e Homs, segundo o OSDH, que denuncia "o silêncio dos observadores da ONU", enviados para monitorar a trégua.

A violência será o objetivo central da visita de Annan ao país, cuja data ainda não foi determinada. "Podemos esperar uma visita em breve", afirmou seu porta-voz.

Como toda sexta-feira, os militantes convocaram as manifestações para exigir a queda do regime e homenagear os "heróis da Universidade de Aleppo", em referência aos estudantes da cidade que se mobilizaram na presença das forças de paz. Em 3 de maio, quatro estudantes foram mortos pelas forças do governo na universidade, centro da mobilização.

Além disso, a Liga Síria de Defesa dos Direitos Humanos denunciou nesta sexta-feira a sentença de morte contra o ativista sírio Mohammed al-Hariri Abdelmaoula, "brutalmente torturado" desde sua prisão em abril por "alta traição".

Apesar das violações sistemáticas do cessar-fogo, as grandes potências se agarram ao plano Annan, na falta de um plano B, segundo diplomatas. A missão da ONU de supervisão (MISNUS) chegará em breve à sua força total (300 observadores militares), mas os ocidentais já não consideram mais a renovação do mandato de 90 dias, que termina em 21 de julho.

Essa missão se tornou especialmente delicada com os ataques mortais reivindicados por facções obscuras , além da violência diária. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, culpou na quinta-feira a Al-Qaeda pelos recentes ataques .

Escalada: Annan adverte para risco de guerra civil na Síria se plano fracassar

Risco: Levante na Síria completa um ano e ameaça se espalhar por região

O presidente Assad, que tira proveito das divisões da oposição para atenuar a magnitude da contestação, alegou nesta semana que as eleições legislativas de 7 de maio, boicotadas pela oposição, demonstraram o apoio dos sírios ao seu regime.

Na mesma entrevista, Assad pediu ao novo presidente francês, François Hollande , que "pense nos interesses da França" e mude sua política, solicitação ignorada por Paris. "Não será com essas declarações que Assad apagará o fato de que suas forças de segurança continuam a massacrar seu povo", destacou o ministério das Relações Exteriores francês. "A violência acabou? Os prisioneiros foram libertados? O Exército voltou aos quartéis?", questionou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.