Militar brasileiro estava em comboio atacado na Síria

Observadores de missão da ONU estavam na cidade síria de Khan Sheikhoun, localizada entre Idlib e Hama

BBC Brasil |

selo

Um militar brasileiro viajava em um comboio de observadores da ONU atingido nesta terça-feira por uma explosão no norte da Síria. Os observadores estavam na cidade de Khan Sheikhoun, localizada entre Idlib e Hama.

Laços: Revolta na Síria provoca confrontos sectários no Líbano

Segundo opositores do regime de Bashar al-Assad, apesar da presença dos observadores na região, forças sírias atacaram uma multidão que participava de um funeral na cidade. O choque deixou ao menos 20 pessoas mortas, segundo a oposição. As mortes ocorreram apesar do acordo de cessar-fogo negociado pelo enviado da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan.

Bomba

A ONU afirmou que quatro de seus veículos formavam um comboio na tarde desta terça-feira. Três deles foram atingidos pela detonação de uma bomba improvisada instalada na estrada.

Nenhum observador militar se feriu no episódio, segundo outro observador brasileiro, o capitão de mar-e-guerra Alexandre Feitosa, do Departamento de Missões de Paz da ONU (que não estava no comboio).

"Não sei dizer em qual dos carros o brasileiro estava, mas amanhã (quarta-feira) vamos apurar todos os detalhes", disse Feitosa à BBC Brasil.

Ahmad Fawzi, porta-voz de Kofi Annan, afirmou que uma patrulha foi mandada à região para resgatar os observadores. O governo da Síria não comentou o episódio.

Esta é a segunda vez em menos de uma semana que um comboio da ONU escapou de explosões de bombas na Síria. Na última quarta-feira outra explosão ocorreu perto de uma equipe de observadores em Daraa. Soldados sírios que acompanhavam a delegação ficaram feridos.

Desde o início das revoltas contra o governo, há pouco mais de um ano, ao menos 9 mil pessoas já morreram na Síria, de acordo com estimativas da ONU.

Missão

O nome do militar que estava no comboio atingido ainda não foi divulgado pela ONU. A organização pretende enviar um total de 300 observadores ao país.

O Brasil contribuirá com 11 militares - quatro da Marinha, quatro do Exército e três da Aeronáutica. Ao menos oito deles já operam na Síria. O envio deles faz parte de uma política iniciada no governo Lula para aumetar a influência do Brasil no Oriente Médio.

Os observadores, que atuam desarmados, têm como principal missão monitorar o cumprimento do cessar-fogo entre tropas do regime e milícias de oposição estabelecido em 12 de abril.

Segundo Feitosa, apesar de uma diminuição da violência com a chegada dos observadores, ainda é possível presenciar confrontos e verificar a presença de armas pesadas nas cidades.

    Leia tudo sobre: síriaassadrevolta no mundo árabeonuoposiçãoannanplano de pazobservadores

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG