Grupo radical reivindica atentado que matou 55 na Síria

Grupo jihadista surgiu em 2011 e era desconhecido até fevereiro, quando reivindicou a autoria dos atentados em Aleppo e Damasco

EFE |

 O grupo radical islâmico al Nusra reivindicou o atentado realizado na periferia de Damasco na quinta-feira que causou, segundo as autoridades sírias, pelo menos 55 mortos e 372 feridos .

Leia também:
Explosão atinge Aleppo depois de forças sírias frustrarem ataque
Tensão: Síria frustra ataque suicida em Aleppo, diz TV estatal

Oposição síria se reúne em Roma, mas confrontos prosseguem

AFP
Sírios carregam corpo carbonizado em local de duas explosões em Damasco
No comunicado número quatro do grupo, divulgado na noite de sexta-feira em um vídeo no YouTube, o grupo afirmou que "os soldados da al Nusra lançaram uma operação militar em Damasco contra o regime".

Este grupo jihadista surgiu em 2011 para lutar contra o regime sírio de Bashar al Assad e era desconhecido até fevereiro, quando reivindicou a autoria dos atentados cometidos no início do ano em Aleppo e Damasco, nos quais morreram pelo menos 35 pessoas.

"Nós prometemos que contestaríamos os bombardeios com explosões e advertimos ao regime que iríamos responder contra os assassinos de famílias, crianças, mulheres e idosos em várias províncias sírias", acrescenta o comunicado.

O grupo pede às autoridades sírias que "parem com seus massacres contra os sunitas" e pede a esta comunidade que evite se aproximar das sedes governamentais.

O duplo atentado cometido na região de Qazaz, na periferia de Damasco, foi realizado com dois carros-bomba, que explodiram nas proximidades de um edifício do denominado corpo da Inteligência Palestina e da sede dos serviços da aviação síria.

O regime sírio acusou grupos terroristas, apoiados por forças externas da responsabilidade pelo atentado, o mais sangrento desde o início da revolta contra Assad em março de 2011.

Por sua parte, o Conselho Nacional Sírio (CNS), principal agrupamento opositor no exílio, negou qualquer envolvimento nas explosões e considerou que beneficiam às autoridades, enquanto um porta-voz do rebelde Exército Livre Sírio (ELS) acusou o regime de estar por trás do ataque.

    Leia tudo sobre: SÍRIAterrotismoatentadodamasco

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG