Novas empresas estrangeiras na década

Tecnologia é o ramo que recebe mais investimentos nas empresas do exterior

Patrick Cruz e Bruna Bessi |

Reprodução
Groupon foi pioneiro no mercado dos sites de compras coletivas

Groupon

“Conheça a companhia de crescimento mais rápido da história”. Foi assim que, em agosto, a revista Forbes apresentou a seus leitores o Groupon. O site foi o pioneiro em um mercado que se tornou febre na internet, o dos sites de compras coletivas. Em abril de 2010, com apenas 17 meses de vida (e antes de surgirem os rumores de que ele seria comprado pelo Google), o Groupon atingiu valor de mercado de US$ 1,35 bilhão. Neste ano, o site se prepara para faturar US$ 500 milhões, feito que Ebay, Amazon e Yahoo não conseguiram tão rapidamente.

Getty Images
Tesla nasceu em 2003 e busca concretizar o desenvolvimento dos carros elétricos

Tesla

A mesma década que assistiu a pedidos de concordata de tradicionalíssimas montadoras de automóveis como General Motors, Chrysler e Karmann pariu também uma empresa que trilha seu caminho no nicho dos carros elétricos, que muitos acreditam ser o futuro dessa indústria. A companhia nasceu em 2003 no Vale do Silício da Califórnia, centro nervoso das empresas de tecnologia dos Estados unidos – e a milhares de quilômetros de Detroit, símbolo da indústria automotiva dos EUA no século XX e, no XXI, símbolo também da crise do setor.

Agência Estado
Rede social, criada em 2004, vira febre no mundo

Facebook

A rede social Facebook, nasceu em 2004, teve Mark Zuckerberg como fundador e Andrew McCollum e Eduardo Saverin como cofundadores. Restrita inicialmente à Universidade de Harvard, a rede fez grande sucesso entre os estudantes e rapidamente se espalhou para diversas regiões do planeta. Mas, somente em 2006 o acesso foi aberto para que qualquer internauta, através de um e-mail, tivesse acesso ao sistema. O Facebook é uma das empresas de Internet mais caras do mundo, valendo quase R$ 25,5 bilhões. Tamanho sucesso fez com que a Microsoft comprasse parte minoritária da empresa (1.6% de participação no capital) por cerca de R$ 409 milhões. O número de usuários no Brasil dobrou nos últimos três anos, totalizando mais de cinco milhões de pessoas.

Divulgação
Laboratório da Butamax em Paulínia desenvolve novo combustível

Butamax

A companhia britânica Butamax, fundada em 2009, é uma associação entre a British Petroleum (BP) e a americana DuPont para desenvolver o Biobutanol. O novo combustível - que será produzido a partir de 2011 - tem álcool com maior valor energético do que o etanol e poderá ser usado nos motores convencionais. O combustível ecológico fornece melhores opções para o abastecimento de energia e diminui a emissão de gases de efeito estufa gerado pelos veículos.

    Leia tudo sobre: retrospectivaestrangeiradecadaempresa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG