Puccinelli muda discurso: ¿Lula me ajudou¿

Em vez da ¿dor de cotovelo¿, governador agora diz que petista apoiou sua gestão com recursos para a habitação

Celso Bejarano iG Campo Grande |

A conciliação é a melhor estratégia para continuar no poder.

Pensando nisso, o governador e candidato à reeleição Andre Puccinelli mudou inteiramente de discurso e agora corteja o presidente Lula.

A declaração de que os petistas estariam “com dor de cotovelo” faz parte do passado.

Agora, Puccinelli passou a elogiar o presidente, admitindo que sua gestão foi apoiada com recursos federais.

Nem mesmo ter sido chamado de “ingrato” por Lula alterou a disposição de Puccinelli com o petista.

Apesar do clima cordial inaugurado, Andre não abandonou a postura crítica com relação à polêmica quanto à origem dos recursos aplicados no setor habitacional no MS.

Embora admita que os recursos federais foram significativos para o setor, Puccinelli faz uma ressalva.

Segundo o peemedebista, os recursos federais só foram liberados graças aos projetos apresentados pelo governo estadual, comandado por ele.

Lula chamou o peemedebista de ingrato por omitir a informação de que recursos federais bancaram a maior parte das obras tocadas no Estado, principalmente do setor habitacional. 

Puccinelli não quis comentar o ataque até agora, mas incluiu em suas aparições no programa eleitoral desta sexta-feira imagens dele, do presidente e de Dilma Roussef, no lançamento do PAC (Programa de Aceleração e Crescimento), em 2007.

Ali, o trio aparece como parceiros, um meio de abafar o programa de Zeca, que desde a terça-feira não para de mostrar Lula criticando Puccinelli.

Pelo blog, o peemedebista afirma que um semestre após assumir o mandato, ele conseguiu “arrancar” R$ 345 milhões do governo federal. 

E, segundo Puccinelli, até então, o governo estadual não tinha conquistado tanto dinheiro assim. “Não havia nenhum projeto neste sentido. Incluir o Estado neste programa [Pac] foi nosso primeiro e grande desafio. Tivemos que sensibilizar o presidente Lula por meio de projetos bem elaborados”.

Do outro lado da ponta, Zeca do PT se apoia em Lula para recuperar o terreno perdido nas últimas semanas. O petista disse ter recebido ontem ligação do presidente, que estaria disposto a retornar ao Estado em setembro.

A informação animou Zeca e aliados, que mantém esperanças de um melhor desempenho nas pesquisas até o pleito, no início de outubro próximo.

    Leia tudo sobre: Eleições MSEleições Puccinelli

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG