Puccinelli busca recursos para MS, mas dívida continua pendente

Todos os anos, Estado paga cerca de R$ 400 milhões para rolar juros de endividamento com a União

iG Brasília |

Em busca de recursos para sua segunda gestão, o governador reeleito de Mato Grosso do Sul André Puccinelli (PMDB) viaja na próxima terça-feira (23) a Brasília.

Em sua peregrinação pelos ministérios da Integração Nacional, Cidades, Transportes, Educação e Saúde, Puccinelli leva na bagagem projetos prioritários, como a conclusão das rodovias Sul-Fronteira e MS-359.

Nesse rol, podem ser incluídos projetos ligados ao meio rural, como o combate à erosão, drenagem e pavimentação de estradas de vários municípios do Estado.

Entretanto, permanecem sem solução outros problemas graves da administração estadual.

Um exemplo é o nível de endividamento do Estado, que consome aproximadamente R$ 400 milhões por ano das receitas locais.

Atualmente, a dívida consolidada de MS com a União já somaria R$ 6 bilhões. Isto é, uma vez e meia maior do que sua arrecadação anual, não superior a R$ 4 bilhões.

Segundo o deputado estadual Paulo Duarte (PT), o governo Puccinelli não deu qualquer sinal de que pretende rever o acordo de refinanciamento da dívida sul-mato-grossense, firmado ainda no governo Fernando Henrique Cardoso, em 1997.

“O Estado de MS gasta, apenas para rolar sua dívida, bem mais do que os 15% da receita líquida estabelecidos na LRF”, assinala.

Outra preocupação do petista é com relação ao não cumprimento da previsão orçamentária que destinaria R$ 170 milhões ao ano para manutenção de estradas e construção de novas, beneficiando cerca de 80 mil produtores rurais.

O compromisso, segundo Duarte, jamais foi cumprido.

O parlamentar chama a atenção, ainda, para a inércia do governo estadual com relação à pesca predatória, mediante o uso de apetrechos proibidos pela Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca (SEAP). “Um dos efeitos dessa atividade ilegal é o desaparecimento dos peixes e agravamento do problema social entre os pescadores”, finalizou.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG