Prefeitura de Dourados tem rombo de R$ 300 milhões

A denuncia é do juiz-`prefeito¿ Eduardo Rocha que atribui perdas à administração de Ari Artuzi

Alessandra Messias, iG Campo Grande |

O prefeito interino de Dourados (MS), juiz Eduardo Machado Rocha, fez uma devassa nas contas da Prefeitura de Dourados e constatou que os prejuízos financeiros podem ultrapassar R$ 300 milhões.

Além disso, a cidade também já perdeu os recursos destinados pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), totalizando R$ 120 milhões e agora o juiz tenta recuperar pelo menos a metade dos valores do projeto.

Na tentativa de recuperar essas perdas, Machado Rocha viajou a Brasília, acompanhado do secretário municipal de Planejamento e Obras Dirson Missio para participar de uma reunião no Ministério das Cidades.

O objetivo do encontro é tentar recuperar verbas do PAC – direcionadas a obras de infra-estrutura – liberadas pelo governo federal, mas perdidas pela prefeitura, no fim do mês passado, por não apresentar projeto específico para viabilizar os recursos. Rocha e Missio devem retornar à cidade ainda esta semana.

“Perdemos R$ 120 milhões, mas vou tentar recuperar R$ 60 milhões. O PAC é uma das verbas entre tantas outras que foram perdidas”, criticou o magistrado.

Ele comenta que a situação decorre “do descaso do prefeito afastado com o povo”, referindo-se ao prefeito Ari Artuzi, preso há 16 dias (sem partido), sob suspeita de chefiar um esquema de fraudes em licitações da Prefeitura. 

O esquema

No levantamento preliminar feito pelo juiz-prefeito obtido por meio de denúncias de que cada um dos 11 vereadores envolvidos recebia em média R$ 170 mil por mês e o prefeito R$ 500 mil, o “rombo” ultrapassa R$ 300 milhões.

O calculo é apontado por técnicos da prefeitura de Dourados que consideraram as fraudes ocorridas somente nos últimos 12 meses.

Com mãos de ferro, o prefeito interino garante que cobrará das empreiteiras que foram contratadas por licitações fraudulentas, “os devidos prejuízos”. 

Além disso, ele diz que manterá intactos todos os documentos relacionados aos gastos ocorridos nesse período para usar como provas e quer colocar na ‘cadeia os fraudadores’.

Enquanto isso, o juiz cobra rigor nos processo dos 28 presos na operação Uragano - desses, 21 já estão em liberdade.

Detido no dia 1º deste mês por chefiar quadrilha que fraudava licitações, Ari Artuzi deve ser afastado do cargo até a próxima semana. 

Segundo a Polícia Federal, Artuzi pode ter desviado recursos estaduais e federais. O prefeito é suspeito de fraudar licitações públicas, pagar propina, corrupção ativa e formação de quadrilha e está preso por força de mandado de prisão preventiva numa cela da 3ª Delegacia da Polícia Civil, no bairro Carandá Bosque. 

O prefeito interino empossou e os novos secretários e membros do primeiro escalão da prefeitura.

São eles: Paulo César Figueiredo (Serviços Urbanos), João Azambuja (Receitas e Finanças), Eduardo Custódio (Administração), Idenor Machado (Educação), Dirson Missio (Planejamento e Obras), Carlos Alberto Farnesi (chefe de Gabinete), Odila Lange (Procon), Adilson Josemar Puhl (Procuradoria-Geral do Município) e Norato Marques de Oliveira (Controladoria-Geral do Município).

Permaneceram no cargo os secretários de Governo e Comunicação Eleandro Passaia, de Assistência Social Itaciana Pires Santiago, de Agricultura, Indústria e Comércio Maurício Peralta e de Saúde, Mário Eduardo Rocha.

    Leia tudo sobre: Eleições MSEleições Dourados

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG