Vilarga reage e nega conivência com corrupção em Campinas

Ex-vice-prefeito reage a declarações do secretário Clélio Leme de que deu margem a esquema montado no governo de Dr. Hélio

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

Em nota enviada por e-mail ao iG , o ex-vice-prefeito de Campinas Demétrio Vilagra (PT) refuta as acusações feitas pelo secretário municipal de Habitação, Clélio Leme, de que teria sido conivente com o suposto esquema de corrupção montado pelo ex-prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT) e que levou à cassação de ambos.

Entenda o caso: PT foi conivente com corrupção em Campinas, diz secretário
Saiba mais: PT de Campinas pede expulsão do líder do governo, Cândido Vaccarezza

Na nota, Demétrio questiona os motivos pelos quais Clélio e o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), líder do governo na Câmara, teriam arriscado se indispor com o partido para indicar nomes no governo de Pedro Serafim (PDT). Conforme o iG adiantou ontem, Clélio e Vaccarezza são alvos de pedidos de investigação pela Comissão de Ética do PT. Leia a íntegra da nota:

“Clélio deve estar confuso e tentando justificar o injustificável. Não acobertei esquema de ninguém porque de nada sabia já que meu cargo era de expectativa, ao contrário, vale lembrar, do cargo então ocupado pelo prefeito-tampão que nomeou Clélio, Pedro Serafim. Serafim era vereador e é do mesmo partido de Hélio. Como vereador, tinha obrigação de fiscalizar a prefeitura e possíveis irregularidades. No entanto a Câmara teve sete anos para investigar Hélio e o fez em uma CPI que escarafunchou os contratos da Sanasa, mas disse nada ter encontrado. Se os vereadores - que são pagos e têm meios para fiscalizar o Executivo - nada encontraram, pela teoria de Clélio seu novo chefe Serafim é que deve ter acobertado alguma coisa.

Clélio deveria se preocupar em explicar ao PT como faz parte de um governo que, além de golpista, tem entre seus principais secretários o vereador tucano que pediu injustamente minha cassação. Por que participa de um governo que tem em seu cerne o principal adversário político do PT, o PSDB, de onde aliás Serafim saiu apenas para disputar a eleição de 2008, já que até então havia sido tucano em sua vida política inteira. Por fim, vale perguntar: por que será que Clélio e Vacarezza estão compondo este governo, quebrando todos os princípios partidários? Qual é o interesse de ambos -que antes nunca se mostraram interessados por Campinas- em participar de um governo questionado pelo PT ? O que ganham Clélio e Vacarezza que vale tanto a pena a ponto de se indisporem com seu próprio partido ingressando em uma gestão considerada inaceitável pelo Partido dos Trabalhadores?”.

    Leia tudo sobre: fraude em campinascampinasdemétrio vilarga

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG