Vaccarezza faz coro ao PMDB e diz ver abuso em operação da PF

Ao lado de nomes como o peemedebista Henrique Eduardo Alves, líder do PT diz avaliar que ordens de prisão foram precipitadas

AE |

selo

O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), disse avaliar que houve abuso de poder pelo Judiciário e pelo Ministério Público (MP) na operação no Ministério do Turismo que pediu a prisão de 38 pessoas, incluindo o número 2 na hierarquia, o secretário-executivo, Frederico Costa.

O mesmo tom foi usado pelo líder do PMDB, deputado Henrique Eduardo Alves (RN). "Está caracterizado abuso de poder. Ninguém tem conhecimento de dolo, de irregularidades", disse. "Todos estão surpreendidos pela virulência da operação", afirmou Alves.

Vaccarezza, Alves e líderes da base saíram em defesa do ex-deputado Colbert Martins (PMDB-BA), atualmente secretário nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo do Ministério, um dos presos na operação.

Eles argumentaram que ele está há apenas dois meses no ministério e não pode ser preso sem nenhuma explicação por conta de convênios que estão em funcionamento desde 2009. "Essa decisão da Justiça é absurda e muito estranha. É preocupante a forma como foi feita ( a decisão pela prisão ), tudo por um juiz de primeira instância", disse o líder do PTB, deputado Jovair Arantes (GO). 

Vaccarezza também afirmou que o petista Mário Moysés, ex-secretário executivo do ministério e um dos presos na operação, é uma pessoa séria. "Eles ( as pessoas acusadas ) devem ser chamados para depor e não começar com a prisão, mesmo que a prisão não seja uma condenação. Houve abuso de poder do Judiciário e do Ministério Público", reclamou o líder.

    Leia tudo sobre: crise no TurismoPMDBCândido Vaccarezza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG