Acusado de dever, no mínimo, R$ 350 mil no interior do Estado, líder do governo na Câmara se diz vítima de 'chantagem'

selo

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Cândido Vaccarezza (PT), está sendo acusado de dar calote em cabos eleitorais da região da Alta Paulista, no oeste do Estado de São Paulo. Segundo o portal Estadão.com.br apurou, o deputado estaria devendo R$ 270 mil a um engenheiro com quem fez dobradinha em Marília, R$ 20 mil ao diretório do PT na cidade e R$ 60 mil a um empresário de Tupã, além de dívidas menores com outras pessoas da região. O deputado nega as acusações e vê "chantagem" no episódio.

Agência Estado
O atual líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza
Em todas as cidades em que há a denúncia de calote, a história é bastante parecida. O economista Walter Bonaldo Filho, definido pelas pessoas ouvidas pela reportagem como "organizador" da campanha do deputado para a região, contratou pessoas e serviços que depois não foram pagos. Bonaldo, segundo ele mesmo, é amigo pessoal de Vaccarezza há 17 anos e é filiado ao PMDB. Ele nega que tenha deixado dívidas e atribui as denúncias a brigas internas do PT.

Bonaldo foi secretário de Finanças de Tupã entre janeiro de 2009 e agosto de 2010, no governo de Waldemir Gonçalves Lopes (PSDB). Antes, havia prestado assessoria à prefeitura da cidade na condição de consultor da Fundação Getúlio Vargas. Deixou a prefeitura durante a campanha eleitoral de 2010 para ajudar Vaccarezza. Ele alega que não poderia continuar em um governo tucano e ajudar um petista na campanha.

Segundo explicou o próprio Bonaldo, a região da Alta Paulista é um reduto tucano. Por isso ele se ofereceu a Vaccarezza, que tem base na capital paulista, para ajudar a conseguir mais votos na região. Ele confirma que teve conversas com lideranças da região para angariar apoio político, mas negou que tivesse feito qualquer acerto financeiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.