'Somos uma família', afirma o líder da minoria na Câmara, Paulo Abi-Ackel, aliado do senador eleito por Minas

selo

Em meio à articulação de setores do PSDB para reconduzir o senador Sérgio Guerra (PE) à presidência do partido, lideranças tucanas mineiras procuraram desvincular o movimento da velada disputa entre o senador eleito Aécio Neve s e o ex-governador paulista José Serra .

"Somos uma família e temos que crescer. Não há razão para que um prejudique o outro no momento em que nos é exigido uma união familiar", amenizou hoje o novo líder da minoria na Câmara, Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), um dos principais aliados do ex-governador mineiro.

A exemplo da postura adotada por Serra no período pré-eleitoral e durante a campanha presidencial do ano passado, Aécio e seu grupo não pretendem melindrar o ex-governador paulista. O argumento é que uma briga declarada não interessa ao mineiro, cujo eventual projeto presidencial necessitaria do cacife eleitoral de Serra. "Os mineiros respeitam o José Serra e reconhecem a importância do seu papel como representante do PSDB e da oposição", reforçou Abi-Ackel.

Outro deputado federal de Minas garante que Serra não fez sondagens claras, nem por meio de interlocutores, sobre sua suposta disposição de assumir o comando do partido. Prova disso seria o fato de o presidente do PSDB-SP, Mendes Thame, ter assinado uma moção subscrita por 54 deputados e suplentes em apoio à recondução de Sérgio Guerra ao comando partidário.

"Assinou porque não tinha movimento inverso ( articulado para isolar o ex-governador de São Paulo )", disse. Aécio, segundo assessores, está em viagem e só deverá voltar a aparecer publicamente na cerimônia de posse como senador, dia 1º, quando retorna oficialmente à capital federal.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.