"Todo partido tem fogo amigo", diz líder do PR sobre denúncias

Em entrevista ao iG, Magno Malta (PR-ES) apoia ministro dos Transportes e diz que diretor do Dnit deve ir ao Congresso

Adriano Ceolin, iG Brasília |

AE
Magno Malta pede que diretor do Dnit se explique no Congresso
Em entrevista ao iG , o líder do PR no Senado, Magno Malta (ES), diz que “todo partido tem fogo amigo”, ao comentar recente crise enfrentada pelo ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, cuja pasta é alvo de denúncias de irregularidades em contratos. Malta quer que o diretor-geral do Departamento Nacional de Infra Estrutura de Tranportes (Dnit), também se coloque à disposição para ir ao Congresso prestar esclarecimentos sobre o caso.

“O inocente tem de ter a indignação dos justos. O cara quando não se indigna e fica frio demais alguma coisa tem. Então, o conselho que eu dei a ele (Pagot), através dos senadores, foi: Se ele está indignado, se ofereça para ir ao Congresso”, disse Malta. Ele contou que espera ainda esta tarde o diretor do Dnit afastado envie ofício para ser ouvido. Pagot é ligado ao senador Blairo Maggi (PR-MT). Ainda na entrevista, Malta confirmou que o irmão dele, Maurício Malta, tem cargo na pasta dos Transportes.

Leia abaixo os principais trechos da entrevista do senador ao iG :

iG: O senhor acha que o ministro tomou as decisões corretas até agora?
Magno Malta:
Sim. Abriu a sindicância e afastou as pessoas. Tem de se esclarecer uma coisa. Ou tem inocente ou tem culpado. Se tem inocente, tem de inocentar e tratar com dignidade a vida das pessoas. E se tem culpado, tem de pagar.

iG: O senhor acha que tem culpado?
Malta
: Assim você está me pedindo para ser leviano. Você é um repórter experiente, como vou saber disso sem ter investigação? Agora se existe uma reportagem apotando pessoas, mesmo que não tem provas, é preciso investigar. Interessa até para as pessoas que foram acusadas. Para que elas possam lavar a honra. A investigação tem de envolver Polícia Federal, Ministério Público e CGU. As pessoas não podem ser levadas para vala comum.

iG: Na sua opinião, qual o impacto dos dados apontados pela reportagem?
Malta:
 Agora as autoridades têm de investigar. Se isso for verdade, tem um grande alerta. Se não for verdade, tem de pedir desculpas às pessoas. Agora uma outra coisa que eu acho que um órgão importante como o DNIT… A minha sugestão é que o próprio faça como o ministro. Ele tinha de mandar um documento às comissões, ao Senado e à Câmara pedindo para ir lá (ao Congresso) falar.

iG: E Pagot se colocou à disposição para fazer isso?
Malta:
Acho que vai se colocar nas próximas horas. Essa foi a orientação que… Eu disse a outros senadores (do PR): “Olha, eu faria isso”. E se o Pagot quiser me ouvir, é a orientação que eu dou a ele. Quem não deve não teme. Ele não disse que nada é feito sem o TCU ver. Que tem uma sala do TCU ao lado da dele. Então, a orientação como líder que eu dou é que ele vá ao Senado, vá à Câmara e à comissão de Infra Estrutura.

iG: Pagot já colocou o cargo à disposição.
Malta:
Não tem de colocar o cargo à disposição. Você sem dívida, não iria. Eu iria. O inocente tem de ter a indignação dos justos. O cara quando não se indigna e fica frio demais alguma coisa tem. Então, o conselho que eu dei a ele (Pagot), através dos senadores, foi. Se ele está indignado, se ofereça para ir ao Congresso. Eu soube agora que ele deve me mandar um ofício pedindo para ser chamado nessas comissões. Isso é importante do País.

iG: E a postura da presidenta Dilma Rousseff, o senhor achou que foi correta?
Malta
: Foi correta. Não é por causa de um reportagem que vai a presidenta vai sair demitindo ministro ou mandando gente embora ( os envolvidos foram apenas afastadas e o ministro mantido ). Qual é a prova que tem contra Alfredo (Alfredo Nascimento, ministro dos Transportes)? Qual é o documento da prova?

iG: Mas ela pediu para afastar pessoas.
Malta
: É o mínimo que ela podia ter pedido a ele. E que ele (Alfredo) tome conta desta apuração. Que ele dê a ela a solução para esses problemas.

iG: O senhor acha que ela tomou a mesma medidas com outros ministros?
Malta
: Aí não dá. Você está querendo desenterrar defunto para mim. Bola murcha para eu chutar.

iG: O senhor deve ter lido as análises da imprensa. Muita gente diz que as denúncias partiram de dentro do próprio PR, por conta de disputas internas. O senhor acha possível.
Malta:
Todo partido tem fogo amigo, não é irmão? É. Pode ser que seja.

iG: O senhor imagina da onde pode ter vindo isso?
Malta
: Não imagino. Nem imagino se foi fogo amigo.

iG: É porque no Ministério do Transportes cada grupo do PR fez uma indicação. Maurício, irmão do senhor, está lá na secretaria de Assuntos Parlamentares, não é?
Malta:
Aquilo é uma assessoria parlamentar. Não tem nada de diretor. É um carguinho qualquer.

iG: Mas, por exemplo, o Pagot é mais ligado ao Blairo, não é?
Malta
: Mas isso é diretoria. É mando.

    Leia tudo sobre: MagnoalfredoTransportes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG