Temer rebate denúncia sobre propina no porto de Santos

Vice-presidente diz que suspeitas são velhas e já foram arquivadas pela Procuradoria Geral da República em 2002

AE |

selo

O vice-presidente da República, Michel Temer, participou hoje da posse da nova diretoria da Frente Nacional de Prefeitos. Na ocasião, comentou a denúncia de suposto envolvimento em irregularidades no porto de Santos. Temer criticou a denúncia, afirmando que o assunto já foi superado.

"Você sabe que não é um caso velho. É mais do que velho, é antiquíssimo. Já foi decidido pelo procurador-geral da República", disse, referindo-se ao fato de que as acusações que o envolvem num esquema de cobrança de propina já foram analisadas e arquivadas pela Procuradoria Geral da República (PGR) em 2002.

Agência Estado
Temer, durante seminário realizado em SP, em novembro
"Você sabe que quando há uma decisão já proferida pela procuradoria, não se pode retomar o mesmo fato, a não ser que haja provas novas. Digo mais. Não há conexão nenhuma entre os fatos lá descritos e a realidade. Não vou revelar minha indignação, porque ela até suja um pouco a forma como respondo", completou Temer. Mais cedo, nota emitida por Temer destacou que as acusações foram arquivadas, na época, por "absoluta ausência de provas e inconsistência da denúncia".

Temer se refere ao arquivamento preliminar do caso determinado em 2002 pelo então procurador-geral da República Geraldo Brindeiro.

Matéria publicada hoje pelo jornal Folha de S.Paulo informa que Temer é investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de ter participado de esquema de cobrança de propina de empresas que têm contrato no porto paulista. Ele teria recebido mais de R$ 600 mil.

A Polícia Federal, segundo a reportagem, instaurou um inquérito em 2006, já com citação ao nome de Temer como eventual beneficiário de pagamento de propinas.

Segundo a reportagem, o caso chegou ao Supremo em 28 de fevereiro e, na semana passada, seguiu para apreciação da Procuradoria-Geral da República. O órgão poderá determinar a realização de novas diligências para a investigação.

Kassab

Na Frente Nacional de Prefeitos, foi eleito como presidente do grupo o prefeito de Vitória, João Coser (PT). O segundo vice-presidente é Eduardo Paes (PMDB), prefeito do Rio de Janeiro. O primeiro-vice presidente é Gilberto Kassab, que deixou o DEM para ingressar no novo PSD.

Kassab reafirmou no evento que não há mais possibilidade de ocorrer a fusão do PSD com o PSB. Ele disse, ainda, que apoia José Serra para ser candidato a prefeito de São Paulo no ano que vem, mas assinala que tem a informação de que Serra não deseja participar da disputa. Ainda assim, insistiu que a escolha seria boa para a capital paulista.

*Com informações do iG São Paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG