Temer reafirma candidatura de Gabriel Chalita em SP

Vice-presidente diz que parceria com PMDB na disputa pela prefeitura de São Paulo só ocorreria no segundo turno

AE |

selo

O vice-presidente da República, Michel Temer , avisa: parceria eleitoral com o PMDB na disputa pela Prefeitura de São Paulo só no segundo turno. O ingresso do ex-governador tucano José Serra na corrida municipal não altera o projeto peemedebista de eleger o deputado Gabriel Chalita prefeito da capital, assegura o vice-presidente.

Desistências: Serra deve disputar prévias com Aníbal e Tripoli
Por Serra: Ao se retirar das prévias, Matarazzo ataca PT

AE
O vice-presidente ministra uma palestra sobre reforma política em São Paulo (6/5/2011)

Dirigentes do PMDB avaliam que vem aí um "verdadeiro cerco" do PT para desmontar a candidatura do partido em troca da vice do pré-candidato petista Fernando Haddad e já ensaiam a resistência.

"Chalita é o candidato a prefeito do partido e nunca cogitou ser vice", adianta Temer que, nos últimos dias, não foi procurado pelo PT nem por emissários do governo federal com apelos em favor da candidatura do ex-ministro Fernando Haddad.

Leia também: Para PT, entrada de Serra favorece Haddad na disputa

Na única conversa que teve com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a disputa paulistana, há cerca de três meses, Temer ponderou que, até para o efeito de divisão de votos, o ideal seria lançar dois candidatos da base governista, aproveitando a boa penetração de Chalita na classe média alta."Aquele que chegar ao segundo turno apoia o outro", sugeriu o vice-presidente. Na ocasião, Lula não discordou.

A disposição dos peemedebistas de manter a candidatura própria vai além de São Paulo. Dirigentes do partido nas cinco regiões do País sentem-se ameaçados pela ofensiva eleitoral do PT para ampliar sua presença em municípios. Temem perder para o aliado o status de maior partido em número de prefeitos, o que enfraqueceria a legenda, que tem sua força eleitoral calcada nas bases municipalistas.

Por isso mesmo, um cardeal do partido que prefere o anonimato afirma que o PMDB não fortalecerá a cúpula do PT em São Paulo e justifica: "Quem mais sofre com a hegemonia petista são os aliados. Se dermos mais poder ao PT, seremos massacrados por eles em Brasília e nos demais Estados." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG