Deputado Cândido Vaccarezza e ministra Ideli Salvatti são nomes fortes para assumir o Ministério das Relações Institucionais

O vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, decidiu manifestar à presidenta Dilma Rousseffque o seu partido tem simpatia pelo nome do deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) como novo ministro das Relações Institucionais. A conversa entre os dois estava prevista para esta sexta-feira, mas a presidenta e o vice também trataram do assunto na noite de ontem.

Também cotada para a pasta, a ministra Ideli Salvatti (Pesca) tem, no entanto, o apoio do ministro Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência da República). Ontem, Ideli e Dilma participaram de um evento político em Blumenau (Santa Catarina). Apesar preferência por Vaccarezza, o PMDB não vetará Ideli. Senadora até janeiro deste ano, ele teve boa relação com bancada peemedebista na Casa. 

Líder do governo na Câmara, Vaccarezza fez, desde ontem, uma romaria com lideranças do PMDB. Além de Temer, reuniu-se com o presidente do Senado, José Sarney (AP), e o líder da bancada Renan Calheiros. Líder peemedebista na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN) também apoia o nome do deputado petista. 

Ideli, que esteve com Dilma hoje, durante visita da presidenta a Blumenau, também é cotada para Relações Institucionais
Futurapress
Ideli, que esteve com Dilma hoje, durante visita da presidenta a Blumenau, também é cotada para Relações Institucionais
O problema de Vaccarezza, no entanto, está na bancada do PT. No começo do ano, ele foi derrotado ao tentar ser candidato a presidente da Câmara. Perdeu a indicação para Marco Maia (PT-RS), hoje presidente da Casa. Para ser ministro, Vaccarezza negocia ceder a vaga de líder do governo para um nome ligado ao grupo de Maia. 

Arlindo Chinaglia (PT-SP) e Pepe Vargas (PT-RS) são os favoritos para substituir Vaccarezza caso ele consiga se tornar ministro. Como o Poder Online antecipou, nesta sexta-feira  o ministro Luiz Sérgio deve oficializar sua saída da pasta responsável pela articulação político

Pela tarde, Maia, Vaccarezza e o líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP), estiveram reunidos para tentar um acordo. “A reunião foi para verificar se havia diferença entre nós. Foi para acabar com a conversa de que há disputa entre o deputado A, B o C no PT “Faz parte do DNA da história do PT o debate acalorado”, afirmou Maia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.