Suspeitos de matar prefeito podem ter sigilo telefônico quebrado

Solicitação será feita pela polícia na segunda-feira; ideia é investigar telefonemas sobre o crime e encontrar possível mandante

AE |

selo

Depois de conseguir que a Justiça decretasse a prisão dos quatro suspeitos de assassinar o prefeito de Jandira, Walderi Braz Paschoalin (PSDB), a polícia vai solicitar nesta segunda-feira a quebra de sigilo telefônico dos envolvidos. A ideia é conseguir rastrear com quem os investigados trocaram telefonemas nos momentos próximos ao horário do crime e encontrar um possível mandante.

O prefeito foi morto na manhã de sexta-feira atingido por uma rajada de metralhadora na porta de uma rádio da cidade, onde gravaria seu programa semanal. Seu motorista, Wellington Martins, também foi baleado e permanece internado em estado grave.

A Polícia conseguiu, na madrugada de sábado, a prisão temporária dos suspeitos com um juiz de plantão na capital. Foram decretadas as prisões de Adilson Alves de Souza e Lázaro Teodoro Faustino, detidos logo após o crime, e de Cristiano dos Santos e Felipe dos Santos, localizados com material inflamável. A polícia acredita que eles queimariam o veículo do prefeito.

Os quatro foram transferidos para a cadeia de Carapicuíba. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) confirmou que exames residuográficos mostraram a presença de pólvora na mão de todos os suspeitos. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Leia tudo sobre: jandiraprefeitoassassinatobraz paschoalin

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG